Novas Fronteiras - Como tratar a mulher jovem com câncer de mama

Publicado em: 19/04/2017 - 21:04:00
Tratamento
Tratamento
Epidemiologia
Tumores de Mama

Apesar de menos frequente, o câncer de mama em mulheres abaixo dos 40 anos costuma ser diagnosticado em fases mais avançadas e está associado a tipos histológicos mais agressivos. Em um levantamento com 4.527 de nossas pacientes diagnosticadas com câncer de mama e tratadas a partir de 2000 revelou que 11,4% das mulheres receberam a notícia do diagnóstico até os 39 anos. Embora represente uma minoria dos casos, a doença nessa faixa etária apresenta características peculiares, como maior propensão para tumores que são mais agressivos, menos responsivos aos tratamentos hormonais e mais associados com hereditariedade.

Esse perfil desafia a comunidade médico-científica a traçar novas fronteiras não só para a cura, como para melhor qualidade de vida dessas pacientes. Os caminhos trilhados nesse sentido foram debatidos durante o Painel de Mastologia do Next Frontiers to Cure Cancer, evento internacional que reúne profissionais para discutir as perspectivas de diagnóstico, tratamento e pesquisa do câncer.

De acordo com a cirurgiã oncologista, diretora do Departamento de Mastologia e coordenadora do Painel sobre câncer de mama do evento, Fabiana Baroni Makdissi, embora não se classifique como doença rara, o câncer de mama na mulher jovem não é motivo para alarde. "A incidência da doença nessa faixa etária se mantém estável, não sendo o número de casos, portanto, o motivador para a escolha por este tema. Decidimos por esse foco porque vemos nessa abordagem um enorme campo aberto para novas pesquisas", explica.

Um olhar para o futuro da paciente

O envelhecimento é o principal fator de risco para câncer de mama. Isso porque, com o passar dos anos, o DNA sofre mais alterações genéticas decorrentes, por exemplo, de exposição a hormônios que alimentam o tumor, como estrógeno e progesterona, assim como de processos inflamatórios associados com a obesidade. Em razão disso, quanto mais avançada for a idade, maior a probabilidade de a paciente desenvolver câncer de mama, com a doença alcançando o seu pico entre os 60 e 70 anos.

"Quando a gente pensa em todos os fatores de risco que são atribuídos a uma mulher que tem câncer de mama em idade mais avançada, vemos o quanto é diferente os perfis epidemiológicos e etiológicos (de causas) da doença na paciente jovem, pois ela é uma paciente que não teve o tempo suficiente de exposição a todos os fatores de risco", observa Fabiana Makdissi.

Além disso, nas pacientes cujo tumor responde aos hormônios, esse bloqueio causa uma situação de menopausa muito precoce e os efeitos colaterais do tratamento são mais sentidos. Há também uma maior prevalência de tumores HER-2 positivo, para o qual há terapias eficazes (terapias-alvo). "Somado a isso, há uma maior possibilidade de descobrir doença associada com hereditariedade nesse grupo de mulheres", observa Fabiana.

Ainda segundo a especialista, tratar uma paciente abaixo dos 40 anos significa que ela ainda tem um longo período de vida pela frente e é preciso se preocupar com a qualidade de vida pós-tratamento. Com isso, é necessário personalizar a abordagem terapêutica, além de se pensar no manejo (todo o acompanhamento) dessa paciente nos anos que virão.

"Devemos avaliar, caso a caso o tratamento indicado. Definir se a melhor cirurgia é a retirada parcial ou total da mama, a extensão do esvaziamento axilar, o uso de quimioterapia antes ou após a cirurgia. Todo cuidado é válido e, sempre que possível, indicamos o procedimento menos invasivo e mais efetivo para deixar menos sequelas", explica.

Outro ponto debatido no Congresso foi a indicação de radioterapia em pacientes jovens. Com o avanço da tecnologia, hoje é possível, até mesmo para lesões mais extensas, selecionar o campo a ser irradiado, preservando as células saudáveis e evitando danos como sequelas pulmonares.

Também foram abordados temas como:

As novas fronteiras para o diagnóstico por imagem

Quimioterapia antes da cirurgia

Preservação de fertilidade

Assinaturas genéticas

Fator psicológico das pacientes, que hoje, mais do que nunca, são mulheres "multitarefa"

Relação entre obesidade e câncer

Cirurgias redutoras de risco na paciente com mutação

Visão do patologista quanto às lesões precursoras e onde estamos quanto aos biomarcadores de risco de progresso de carcinomas ductais in situ.

 

 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Descalonamento de terapia em câncer de orofaringe com HPV relacionado
Por Thiago Bueno de Oliveira, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Com a utilização de tratamento inicial com cirurgia transoral robótica (TORS), técnica minimamente invasiva, disponível no A.C.Camargo Cancer Center e na qual a Instituição é pioneira e tem alta expertise, foi possível desintensificar o...
Genômica, a ciência que faz diferença
Assista ao vídeo e entenda melhor como ela contribui para o combate ao câncer A Genômica é uma prova que, ao longo dos anos, os avanços científicos não apenas proporcionaram um maior número de tratamentos contra o câncer, mas também uma maior personalização, que considera...
Muitos pacientes que deixam a UTI com cuidados paliativos sobrevivem e retomam o tratamento do câncer
Estudo revela que aproximadamente 20% dos pacientes receberam alta para casa e até voltaram às terapias contra o câncer Alguns pacientes internados em UTI e que não apresentam melhora no quadro deixam esse serviço em cuidados paliativos. Há, no entanto, pouca amostragem sobre o que...
Tomografia de pele pode no futuro ajudar no diagnóstico de melanoma
Estudo do A.C.Camargo em parceria com a Universidade de Michigan busca trazer agilidade nos exames não invasivos da pele com diagnóstico cada vez mais precoce e preciso A biópsia é o atual padrão para diagnóstico do melanoma, um tipo de câncer de pele que se...
A relação do sistema imunológico, o câncer e a imunoterapia
O corpo humano está diariamente exposto a diversos agentes, como bactérias e vírus, e precisa de uma barreira defensiva para se proteger. Essa é a função do sistema imunológico, que detecta células estranhas ao organismo para poder eliminá-las, tornando-se um importante mecanismo de proteção ao...