Descalonamento de terapia em câncer de orofaringe com HPV relacionado

Publicado em: 01/06/2020 - 19:06:41
Pesquisa
Tratamento
Cirurgia
Tumores de Cabeça e Pescoço

Por Thiago Bueno de Oliveira, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center

Com a utilização de tratamento inicial com cirurgia transoral robótica (TORS), técnica minimamente invasiva, disponível no A.C.Camargo Cancer Center e na qual a Instituição é pioneira e tem alta expertise, foi possível desintensificar o tratamento pós-operatório, reduzindo a dose de radioterapia e suprimindo a quimioterapia combinada em pacientes de risco intermediário, ou mesmo suprimindo tanto radioterapia quanto quimioterapia em pacientes de baixo risco de recidiva, sem prejuízo em sobrevida ou taxa de recidiva do tumor.

Trata-se de um estudo preliminar, que conseguiu comprovar a premissa de que seria possível esta desintensificação da terapia, sem prejuízo em chance de cura. Com essa estratégia, espera-se diminuir efeitos colaterais agudos e a longo prazo no tratamento, melhorando a qualidade de vida dos pacientes curados. 

Esse estudo traz uma perspectiva inovadora, num tumor que tem tido aumento de sua incidência nos últimos anos: o câncer de orofaringe relacionado ao HPV. 

São tumores que apresentam boas taxas de cura, mas em geral às custas de uma combinação de tratamento com radioterapia e quimioterapia, que traz toxicidade aguda, bem como a possibilidade de sequelas tardias. 

Com esta nova estratégia foi possível reduzir a intensidade do tratamento e de seus efeitos colaterais, sem prejuízo na curabilidade do tratamento. Isso foi possível graças à incorporação da cirurgia robótica como tratamento inicial, retirando o tumor de maneira completa, de maneira minimamente invasiva, com recuperação completa e rápida. 

Após a análise do tumor retirado, se estima qual o risco de recidiva relacionado a algumas características de agressividade presentes ou não. A partir dessa análise, se avalia a necessidade de complementação do tratamento de maneira preventiva ou não, e utilizando a menor intensidade de tratamento possível quando ele é necessário.

Esta visão de prover maior chance de cura com menos sequelas já é empregada em nossa Instituição, a partir da discussão individual dos casos em reuniões multidisciplinares semanais, o tumor board, dentro de nossa estrutura logística de Centro de Referência no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço. 

Nessa discussão, nossa equipe – composta de cirurgiões de cabeça e pescoço, oncologistas clínicos, radioterapeutas, patologistas e todas as especialidades envolvidas no cuidado do paciente – define a melhor estratégia de tratamento, incluindo a possibilidade de cirurgia transoral robótica.

Para conferir mais (em inglês) sobre o estudo E3311, clique aqui.

Saiba mais:

- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Covid-19: como a quarentena influencia nosso sono
Ter sonhos vívidos ou dormir de forma intermitente durante a noite costumam ser características que ocorrem em momentos de estresse, como a pandemia do novo Coronavírus Covid-19 e nossa relação com o sono. Durante o isolamento social, muitas pessoas dizem enfrentar uma noite de sono...
Covid-19: pandemia pode causar até 20% a mais de mortes por câncer
Covid-19 e câncer: a pandemia mudou o estilo de vida de grande parte dos brasileiros. Sair de casa somente para o essencial e fazer o uso de medidas protetivas contra o vírus da Covid-19 viraram hábitos que já completam um ano. Por isso, muitas pessoas...
Médicos do A.C.Camargo Cancer Center debatem tumores iniciais de pulmão na Semana Brasileira da Oncologia
A mesa teve o seguinte tema: Quando e como Abordar o Mediastino Por Helano Freitas, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O Dr. Jefferson Gross, head do Núcleo de Pulmão e Tórax do A.C.Camargo, e o Dr. Felipe D'Almeida, da Anatomia Patológica, integraram, no módulo...
Podcast Rádio Cancer Center #44 - Tumores digestivos: como se proteger
Esta conversa é sobre os tumores digestivos, mais precisamente do aparelho digestivo alto, que inclui órgãos como estômago, esôfago, fígado, pâncreas, intestino delgado, GIST (tumor estromal gastrointestinal) e vesícula biliar e vias biliares. Vamos tirar todas as dúvidas sobre o assunto de uma forma simples...
Tuberculose pode causar câncer de pulmão? 
Pneumologista explica as diferenças entre as duas doenças, como é feito o diagnóstico e cuidados para prevenção De 24 a 31 de março é comemorada a Semana Nacional de Mobilização e Luta Contra a Tuberculose, uma doença pulmonar que ainda é um problema de saúde...