Como eu me tornei uma oncologista

Publicado em: 08/07/2020 - 21:07:00
Ensino
Diagnóstico
Efemérides

Para marcar este 9 de julho, Dia do Oncologista, saiba mais sobre a profissão com o depoimento da Dra. Maria Nirvana da Cruz Formiga, oncologista clínica do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo

“A oncologia é uma área que me encantou desde o 5° ano da faculdade de medicina, quando via os pacientes com câncer e os desafios no tratamento.

Também via como os colegas fugiam desses pacientes para não sofrerem junto. Eu pensava: ‘mas esses pacientes precisam de nós por perto para cuidar deles. Evitar, fugir, não os ajuda’. 

É uma área de evolução constante e desafiante, na qual outros especialistas não interferem, por serem doenças mais graves. Fui levada por esse encantamento. Me lembro de um professor da faculdade me falando: ‘você tem um perfil emocional sereno, equilibrado, gosta de estudar, combina com oncologia’.

A formação do oncologista é longa, com esforço grande, mas com uma recompensa valiosa no futuro. Além dos seis anos de medicina, vem a residência: são dois anos de clínica médica e outros três anos de oncologia clínica. 

Cuidar de um paciente oncológico é uma luta diária, com várias batalhas, e requer um equilíbrio emocional incomparável a outras especialidades, mas cada melhora de um paciente é uma vitória para o médico, para a pessoa em tratamento e seus familiares. Cada paciente curado, cada paciente que consegue viver mais, sem sofrimento, ao superar uma doença que antes era generalizada como uma enfermidade taxada como ‘incurável’, isso não tem preço. 

O oncologista passar a se envolver com o paciente e sua família. Com aquele paciente que conseguiu ter um filho após um tratamento de quimioterapia. Com aquelas famílias que foram construídas ao longo do tratamento... A gratidão que eles têm ao médico... Esses são os grandes valores, os grandes presentes da nossa especialidade.

Sem dúvida, a oncologia nos cobra estudar continuamente, e isso é uma grande atração. O profissional tem de estar atento às descobertas científicas: medicações inovadoras, mutações genéticas, novos exames. Há descobertas a todo momento, levando a um boom de informações, portanto precisamos estar atualizados para oferecer o melhor aos nossos pacientes.

Ser oncologista é ser, além de um profissional estudioso e atualizado, um grande médico no sentido mais humano da palavra.”

Oncologista Doutora Maria Nirvana da Cruz Formiga


Saiba mais:

- Veja se seus sinais e sintomas precisam de avaliação médica

- Agende sua consulta ou seu exame

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Tumores ginecológicos: um infográfico que conscientiza para a prevenção
No mês dedicado à mulher, entenda mais sobre os cânceres que atingem mais de 30 mil brasileiras Os tumores ginecológicos atingem, a cada ano, mais de 30 mil mulheres, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). A alta incidência decorre da descoberta tardia...
Vídeo: a cirurgia robótica no câncer de cabeça e pescoço
As tecnologias e as técnicas usadas na cirurgia de cabeça e pescoço avançaram muito nos últimos anos graças aos procedimentos videoassistidos e às cirurgias robóticas. Neste vídeo, o cirurgião especialista em tumores de cabeça e pescoço do A.C.Camargo, Renan Bezerra, explica quais são os progressos...
Colonoscopia: rastreamento eficaz, expansão difícil
Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer colorretal está entre os três tumores mais comuns na população brasileira, com 16,66 casos para cada 100 mil homens e 17,62 para 100 mil mulheres. No entanto, o principal exame de rastreamento da doença, a...
Câncer de pulmão: confira vídeo com dicas de prevenção da doença
Câncer de pulmão: assista ao vídeo e conheça um pouco mais sobre a doença com o Dr. Jefferson Luiz Gross, líder de Centro de Referência em Tumores do Pulmão e Tórax do A.C.Camargo Cancer Center. Quem tem câncer, tem pressa. Caso haja algum sintoma de...
Câncer de pele: Programa de Aperfeiçoamento (Fellow)
Câncer de pele: o tipo não melanoma é o mais comum no planeta e no Brasil. Por aqui, a estimativa é de 177 mil novos casos para cada ano do triênio 2020-2022, segundo o INCA. Isso sem contar o conhecido melanoma. Para continuar no combate...