Paciente idoso e negro deitado na cama de hospital; em pé, um médico japonês e uma enfermeira morena sorriem

Câncer de reto: 3 avanços importantes no tratamento

Publicado em: 16/02/2021 - 08:02:00
Tratamento
Diagnóstico
Radioterapia
Tumores Colorretais
Reto
Linha Fina

Novidades que não apenas elevam as chances de cura, mas também melhoram a qualidade de vida dos pacientes com terapias mais personalizadas – entre elas, não operar, radioterapia com cinco sessões em vez de 30, menos idas ao hospital em tempos de Covid-19...

1. Câncer de reto: TNT no combate

Para o câncer de reto, a terapia neoadjuvante total (TNT) é uma mudança de paradigma que visa evitar, sobretudo, a progressão da doença, a amputação do reto e a colostomia definitiva.

Usualmente, pacientes com câncer de reto baixo são tratados com quimioterapia e radioterapia simultaneamente. Depois, eles ficam sem nenhum tratamento por dois meses, período em que o efeito da radioterapia continua a atingir o tumor. Em seguida, fazem a cirurgia e, depois, mais quimioterapia. 

A TNT, porém, prevê esquema diferente.

“Representa um grande avanço: a gente traz a quimioterapia que era feita após a cirurgia para antes da operação, para este hiato que dura entre dois e três meses”, conta a Dra. Rachel Riechelmann, head da Oncologia Clínica do A.C.Camargo.

“A TNT se mostrou mais benéfica que o tratamento que era feito antes em termos de maior controle da doença e diminuição do risco de metástase”, complementa a médica. 

Esses benefícios para os pacientes foram comprovados em dois estudos publicados em 2020, segundo o Dr. Elson Santos Neto, do Departamento de Radioterapia do A.C.Camargo.

“Um desses dois trabalhos testou um esquema de radioterapia pélvica de curso curto, cinco sessões em apenas uma semana. Essa radioterapia foi seguida de quimioterapia intensificada por alguns meses. Dessa forma, conseguimos reduzir um ciclo de 25 a 30 sessões, que representavam cinco a seis semanas de tratamento, para apenas cinco sessões de radioterapia feitas em uma semana”, comemora o Dr. Elson. 

“Além da maior praticidade, em tempos de pandemia torna-se bastante desejável minimizar as vindas dos pacientes ao hospital”, acrescenta. 


2. Imunoterapia

Grande avanço no tratamento do câncer nos últimos anos, a imunoterapia estimula o organismo a identificar as células tumorais e atacá-las com medicamentos que modificam a resposta imunológica – o tratamento é mais personalizado.

“Para o câncer de reto metastático, cada vez mais, a imunoterapia faz parte do arsenal de tratamento para alguns tumores que têm uma alteração molecular rara, que é a instabilidade de microssatélites e a alta carga mutacional”, afirma a Dra. Rachel Riechelmann. 

Existem outros tratamentos que recentemente foram aprovados, caso das novas quimioterapias orais e anticorpos monoclonais – proteínas usadas pelo sistema imunológico para identificar e neutralizar corpos estranhos, que podem ser células tumorais, bactérias e vírus.

“No A.C.Camargo, temos várias pesquisas clínicas em andamento para pacientes com câncer colorretal metastático, que incluem, inclusive, a imunoterapia”, complementa a médica. 


3. Não operar, menos radioterapia

O tratamento do câncer de reto baixo é muito desafiador devido à dificuldade de se operar o paciente, garantir margens livres de tumor e, ao mesmo tempo, preservar o esfíncter anal, algo que o livra de uma colostomia definitiva. 

“Muitos desses pacientes são submetidos à radioterapia pré-operatória, com ou sem quimioterapia concomitante, e uma porcentagem deles apresenta resposta tumoral completa nos exames de imagem realizados antes da cirurgia”, explica o Dr. Elson Santos Neto. 

A ideia de não operar esses pacientes que são bons respondedores surgiu há alguns anos e, desde então, muitas estratégias para maximizar as chances de tratamento não operatório em tumores de reto baixo foram criadas. 

Em 2020 houve a apresentação de outro estudo importante, que demonstrou que a radioterapia de curso longo (de 25 a 30 sessões em cinco ou seis semanas de tratamento) concomitante à quimioterapia, seguida de alguns ciclos de quimioterapia intensificada, apresentou um aumento importante das chances de se evitar cirurgia. 

“Neste estudo, cerca de 58% dos pacientes submetidos a essa sequência de tratamento conseguiram ficar livres da cirurgia em três anos, um número expressivo se comparado ao que tínhamos antes na literatura”, analisa o Dr. Elson. 

Naturalmente, esses pacientes são mantidos em seguimento oncológico rigoroso, com consultas e exames frequentes. Dessa forma, uma eventual cirurgia pode ser indicada no tempo certo, caso haja evidência de recrescimento tumoral. 

Doutora Rachel Riechelmann, branca, cabelos castanhos nos ombros, de jaleco
"
A TNT representa um grande avanço: a gente traz a quimioterapia que era feita após a cirurgia para antes da operação, para este hiato que dura entre dois e três meses.
Doutora Rachel Riechelmann, head da Oncologia Clínica do A.C.Camargo

Veja também

Entenda a diferença entre os tipos de câncer de pele
Alguns sinais e sintomas pedem atenção e uma consulta com um dermatologista Conhecer os tipos de câncer de pele e quais suas características é importante para a detecção precoce da doença, que pode alcançar altos índices de cura quando tratada nos estágios iniciais. Os tumores...
AACR 2019: inteligência artificial poderá auxiliar no diagnóstico de câncer de mama
Algoritmo desenvolvido pelo MIT pode prever qual a categoria de densidade mais provável do tumor mamário Por Vinicius Fernando Calsavara, pesquisador/estatístico do Núcleo de Epidemiologia e Estatística em Câncer (NEECan) do A.C.Camargo Cancer Center Com o rápido crescimento tecnológico no campo de armazenamento de dados...
Novembro Azul: é possível “não tratar” um câncer de rim ou de próstata?
Novembro Azul é o mês que reafirma a importância de as pessoas ficarem atentas a fatores de risco, sinais, sintomas e, quando diagnosticadas com um tumor urológico, aos tipos de tratamento existentes. Neste ano em particular, vivemos o dilema entre postergar tratamentos oncológicos para alguns...
Tumores gastrointestinais: resultados promissores para o adenocarcinoma esofagogástrico
Por Victor Hugo Fonseca de Jesus, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Foi apresentado o DESTINY-Gastric01, um estudo randomizado, de fase II, envolvendo 187 pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico avançado HER2 positivo. Ele comparou o Trastuzumabe Deruxtecan com a quimioterapia de escolha do investigador. O estudo...
Inovação: a era da bioimpressão 3D chega à saúde
Tecnologia permite a construção de tecidos que reduzem rejeições e de modelos in vitro para testes de drogas imunossupressoras Células carregadas em matrizes poliméricas, as chamadas biotintas, são impressas posicionadas hierarquicamente, camada a camada, de maneira programada. Nascem assim, por meio da tecnologia de bioimpressão...