Touca de resfriamento - Uma forma de colaborar com a autoestima e preservar a privacidade dos pacientes

Publicado em: 21/08/2018 - 10:08:00
Notícias

Tentar manter a autoestima durante o tratamento de câncer ajuda no bem-estar e na qualidade de vida e também a paciente a se sentir mais bonita e até mais forte para seguir com os cuidados necessários. Nem sempre isso é tão simples. Um dos efeitos colaterais mais temidos por quem precisa fazer quimioterapia é a perda de cabelos.

Embora muitas mulheres se adaptem a lenços, perucas, chapéus, ou mesmo a sair careca, valorizando o rosto com brincos ou uma bonita maquiagem, outras sentem que estar careca é sinônimo de ficar estigmatizada. Para essas pacientes, ficar com os cabelos é algo muito mais importante do que a estética: permite fazer a quimioterapia com discrição, sem precisar se expor com relação à doença.

Uma forma de ajudar a preservar a saúde psicológica e a privacidade da paciente é o uso da touca de resfriamento, técnica que resfria o couro cabeludo e reduz a queda dos fios de cabelo. "A touca diminui a circulação sanguínea no couro cabeludo e isso reduz muito a queda dos fios de cabelo", explica a Dra. Solange Sanches, do Departamento de Oncologia Clínica. "Em média, 50% dos fios são preservados (em cerca de 2/3 das pacientes com câncer de mama que utilizam a touca)", diz ela. Homens também podem usar a touca. "Ela é indicada para pacientes que usam medicamentos quimioterápicos que provocam a queda dos fios, mas em geral é usada em pacientes de câncer de mama".

Alguns pacientes podem sentir dor no início e desconforto com a sensação de frio intenso no couro cabeludo, mas a maioria se adapta. É preciso tomar certos cuidados: os cabelos ficam mais ralos, mais frágeis, não podem ser lavados com tanta frequência.

Importante: O sucesso do tratamento depende de vários fatores, como tipo e estágio do câncer, idade, tipo do cabelo e estado de saúde em geral. Seu médico vai avaliar se a touca é indicada para você.

Converse com seu médico a respeito do uso da touca.

Como funciona

A touca está acoplada a uma serpentina que sai de uma caixa de resfriamento. O líquido de refrigeração circula na serpentina a uma temperatura de 4 ºC para que o couro cabeludo se mantenha em torno de 11 ºC. A baixa temperatura promove uma vasoconstrição na região, dificultando que a droga utilizada na quimioterapia penetre e danifique o folículo capilar.

  • A touca é colocada 30 minutos antes da sessão de quimioterapia. O paciente permanece com ela durante toda a sessão e ainda por mais 90 minutos. Depois disso, fica ainda 10 minutos.
  • Deve ser usada em todas as sessões de quimioterapia.
  • A touca é bem leve e protegida por uma capa de neoprene. O paciente pode ler, ocupar-se com outras atividades e até ir ao banheiro sem afetar o seu tratamento.

Por que a quimioterapia faz o cabelo cair

A quimioterapia tem como alvo todas as células de divisão rápida no organismo.

A divisão celular acontece de forma muito rápida nos fios capilares e esta é a razão para que várias drogas quimioterápicas causem a queda do cabelo. Os cabelos costumam cair em duas semanas após o início do tratamento com quimioterapia.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Doze cuidados com as mãos e os pés importantes ao paciente oncológico
Durante o tratamento quimioterápico, alguns pacientes podem sentir efeitos colaterais na pele, principalmente na região das mãos e dos pés. Dentre as principais alterações, destacam-se a Síndrome de mãos e pés; mudanças nas unhas e a neuropatia periférica, pequena lesão no Sistema Nervoso que pode...
Fumo de terceira mão também é fator de risco para desenvolvimento de câncer
Toxinas que se fixam em roupas e no ambiente após o indivíduo terminar o cigarro também fazem mal à saúde. Após a consolidação de evidências sobre os males para quem fuma e para os fumantes passivos, cientistas chamam a atenção da sociedade para os perigos...
A Síndrome de Lynch e sua relação com o câncer colorretal
Responsável por cerca de 5% dos casos de câncer de intestino, a Síndrome de Lynch é decorrente de uma alteração genética que aumenta o risco de desenvolvimento de tumores no cólon e no reto. Além disso, pode aumentar também a predisposição ao câncer em outras...
Evento para público leigo em SP destaca os sarcomas, tumores que podem acometer qualquer parte do corpo
Com mais de 12 mil novos casos previstos por ano nos Estados Unidos e em torno de 7,5 mil no Brasil, os sarcomas são considerados tumores raros, mas há uma questão que merece atenção: são tumores que podem acometer qualquer uma das estruturas denominadas partes...
Destruindo tumores: células podem programar de que forma vão morrer
Estudos apresentados no AACR Meeting 2017, em Washington, mostram que mecanismos que levam a célula para a morte programada podem colaborar no tratamento do câncer. O processo de morte celular programada, isto é, em que a célula decide a própria morte, ocorre em todo o...