Síndrome metabólica e os riscos de diabetes, doenças do coração e câncer de fígado

 
Publicado em: 11/04/2017 - 21:04:00

Não é uma doença nova, mas de uns anos para cá a chamada síndrome metabólica passou a chamar a atenção dos médicos de várias áreas, inclusive da oncologia.

Síndrome metabólica é um quadro clínico que envolve pelo menos três das seguintes características:

  • Pressão alta
  • Obesidade ou sobrepeso com gordura acumulada na região abdominal
  • Taxa de glicemia (açúcar no sangue) alta em jejum
  • Taxa de triglicérides alta
  • Níveis de HDL (o colesterol bom) baixos

Também chamada de síndrome da resistência à insulina e síndrome X, ela predispõe tanto ao diabetes tipo 2 quanto a doenças cardiovasculares, mas também começa a ser associada ao risco de câncer, especialmente o de fígado. Portadores da síndrome costumam apresentar ainda problemas de coagulação do sangue e uma leve, porém constante, inflamação no corpo, mas os especialistas ainda não sabem se esses dois fatores são consequência da síndrome ou se a agravam.

"O fato de a síndrome predispor ao diabetes e à doença cardiovascular já seria suficiente para termos atenção redobrada com esse quadro, mas é sempre bom lembrar que a obesidade é fator de risco importante para vários tipos de câncer", alerta Dr. Felipe Coimbra, nosso Diretor do Departamento de Cirurgia Abdominal. A preocupação é ainda maior em relação ao câncer de fígado. "A esteatose, ou seja, o acúmulo de gordura no fígado, está entre os principais fatores de risco desse tipo de câncer, da mesma forma que o diabetes e a obesidade", destaca.

O risco de desenvolvimento da síndrome aumenta com a idade e também é maior em pessoas que sofrem de apneia do sono e ovário policístico. No entanto, se o envelhecimento não pode ser controlado, outros fatores podem e devem. "A síndrome está associada a vários fatores comportamentais, como sedentarismo, excesso do consumo de sal e alimentação inadequada, excessivamente gordurosa", afirma o especialista. Daí a recomendação para uma alimentação saudável, rica em frutas e legumes frescos, com pouca fritura e uso moderado de sal. Além disso, controle da pressão arterial, já que a hipertensão costuma ser uma doença silenciosa, que não apresenta sintomas, e muitos hipertensos descuidam de medicação e dieta.

Outra recomendação importante é o controle periódico das taxas de glicemia (açúcar no sangue), notadamente em pessoas com histórico familiar de diabetes tipo 2. "Há uma série de estratégias para lidar com o pré-diabetes, que incluem dieta com restrição calórica e de açúcares, prática de exercícios físicos e, em alguns casos, até medicação", diz Dr. Felipe. Vale o mesmo para os baixos níveis de colesterol bom – perigosos, porque é o colesterol bom que elimina o colesterol ruim, aquele que se acumula nas paredes das artérias.

Fundamental também é o controle dos triglicérides, já que eles estão relacionados ao acúmulo de gordura no fígado, sobrecarregando o órgão e podendo levar a quadros de hepatite, fibrose ou cirrose hepática, todos fatores que aumentam o risco de câncer de fígado. Segundo especialistas, nos Estados Unidos, que convivem com uma epidemia de obesidade, 25% da população sofre de esteatose e o número de casos de câncer de fígado vem aumentando.

 

Dr. Felipe José Fernández Coimbra - CRM 93020
Diretor do Departamento de Cirurgia Abdominal
Especialista em Cancerologia/Cirúrgica - RQE nº 30634
Especialista em Cirurgia Geral - RQE nº 30635

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

O que o paciente com câncer deve saber sobre interações medicamentosas?
Chás e alguns medicamentos podem interferir na ação dos quimioterápicos Por Daniel Garcia, médico oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Pacientes com câncer têm um risco particularmente alto de interações medicamentosas, que, por definição, são um efeito do uso de duas (ou mais) drogas, ou...
Touca de resfriamento - Uma forma de colaborar com a autoestima e preservar a privacidade dos pacientes
Tentar manter a autoestima durante o tratamento de câncer ajuda no bem-estar e na qualidade de vida e também a paciente a se sentir mais bonita e até mais forte para seguir com os cuidados necessários. Nem sempre isso é tão simples. Um dos efeitos...
Como o pioneirismo em cirurgia robótica acelera a recuperação de pacientes
Artigo científico descreve como foi a implementação dessa tecnologia aqui no A.C.Camargo e que temos, hoje, expertise similar aos melhores do mundo Somos pioneiros na América Latina em cirurgia robótica de cabeça e pescoço, com expertise similar aos centros de referência do mundo. A primeira...
Orientações sobre a gripe 2018
A gripe A influenza ou gripe é uma infecção respiratória aguda, causada pelo vírus influenza, com alto potencial de transmissão. Os primeiros sintomas geralmente são: febre, dor muscular e tosse seca. A evolução costuma ser branda e autolimitada, por período de quatro dias a sete...
O exame de sangue oculto nas fezes é o método ideal para rastreamento do câncer colorretal em grandes populações
Pouca gente se lembra de fazer – e às vezes até mesmo os médicos se esquecem de pedir – o exame de sangue oculto nas fezes. Entretanto, ele é muito eficiente para ajudar no diagnóstico do câncer de intestino e tem a vantagem de ser...