Dra. Marina DeBrot observa amostras congeladas no biobanco

Oncologia personalizada na América Latina

Publicado em: 02/12/2020 - 09:12:53
Pesquisa
Tratamento
Genética
Linha Fina

Especialistas discutem os desafios e as oportunidades sobre estudos em oncologia de precisão nos países latino-americanos

 

A oncologia personalizada (ou de precisão) deixou de ser o futuro do tratamento oncológico para estar cada vez mais presente no dia a dia. Mas, ainda são necessários muitos estudos e pesquisas clínicas para torná-la cada vez mais acessível e precisa no combate ao câncer. Enquanto em grandes centros esses estudos avançam a passos largos, a América Latina representa apenas 4% de toda atividade global relacionada a pesquisa sobre câncer.

O estudo Personalizing Precision Oncology Clinical Trials in Latin America: An Expert Panel on Challenges and Opportunities (Personalização de ensaios clínicos de oncologia de precisão na América Latina: um painel de especialistas sobre desafios e oportunidades, em português) reuniu especialistas de oito países da América Latina para avaliar os principais desafios da região.

Segundo Dr. Helano Carioca Freitas, médico oncologista do A.C.Camargo Cancer Center e um dos autores do estudo, os ensaios clínicos para oncologia de precisão precisam de candidatos que tenham tumores com alterações moleculares específicas, considerados como o alvo da terapia experimental do ensaio. Como muitas alterações moleculares são raras, menos pacientes são inscritos e, como consequência, o sucesso da triagem diminui e aumentam os custos. Dessa forma, muitos testes são viáveis apenas quando são multicêntricos e multinacionais.

“Durante os testes, é gerada uma quantidade muito grande de dados genômicos, que requerem equipamentos caros e sofisticados, além de pessoal altamente treinado. São recursos que estão restritos a alguns centros de pesquisa e não amplamente disponíveis na América Latina”, explica Dr. Helano.

Oportunidades de melhorias

Dra. Rachel Riechelmann, médica oncologista do A.C.Camargo e autora sênior do estudo, explica que o uso de bancos de tumor (ou biobancos) pode ajudar a superar alguns desafios. “Os biobancos são reconhecidos como vitais para a pesquisa em oncologia. Mas, na América Latina, existem poucas unidades e, com exceção do Brasil, operam sem regulamentação específica”, comenta a médica.

Confidencialidade e ética na pesquisa de oncologia personalizada

Outro ponto levantando pelos autores é a questão da supervisão ética, que deve ser mais dinâmica e personalizada para cada região, mantendo os fundamentos morais. “Ao traduzir essa enorme quantidade de dados para a prática clínica, o grande desafio é como fazer isso garantindo a privacidade dos participantes e a confidencialidade de suas informações genéticas”, comenta Dra. Rachel.

A especialista explica que a América Latina apresenta uma população única em termos de características clínicas, sociais, ambientais e genéticas na pesquisa do câncer. Por isso, a aceleração da oncologia de precisão é uma esperança de tratamento mais eficaz não só para os tumores mais comuns, mas também para os subtipos mais raros. “Com a inevitável globalização da pesquisa clínica do câncer, é importante a América Latina implantar melhorias para a pesquisa em oncologia de precisão a fim de fornecer mais acesso a novos medicamentos para pacientes latino-americanos com câncer”.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Outubro Rosa: tomografia computadorizada é uma aliada na biópsia da mama
Raramente usada para exames de imagem da mama, ela ajuda a garantir o melhor planejamento terapêutico Outubro Rosa é sinônimo de prevenção, portanto saiba que os melhores exames de imagem para avaliação de lesões mamárias são a mamografia, a ultrassonografia e a ressonância magnética. A...
Podcast Rádio Cancer Center #52 - Câncer na infância: a união entre A.C.Camargo e Sabará em benefício das crianças
Câncer na infância: de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para cada ano do triênio 2020/2022, a estimativa é de que sejam diagnosticados no Brasil 8.460 novos casos de câncer infanto-juvenil. Destes, 4.310 para o sexo masculino e 4.150 para o feminino. Ao...
Câncer de canal anal: o que há de novo?
Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato...
GAP 2016: Especialistas de todo o mundo se reúnem em São Paulo e Barretos para debater assuntos relacionados ao câncer
Em 2016, o Global Academic Programs (GAP) acontecerá pela primeira vez no Brasil, em São Paulo e em Barretos (SP), entre os dias 24 e 28 de abril. Criado pelo MD Anderson Cancer Center, esse congresso mundial, voltado a profissionais de saúde, aborda temas relacionados...
Colostomia: é possível reverter o procedimento
Quando a saúde do paciente está restabelecida e o método é temporário, é possível fazer a cirurgia de reversão Em muitos casos, pacientes com tumores colorretais podem precisar da realização de uma colostomia ou ileostomia para a saída de fezes. Estes dois procedimentos são feitos...