Nutrição do paciente após cirurgia de câncer colorretal

Publicado em: 27/03/2017 - 21:03:00
Notícias

Hoje em dia, dietas são bastante populares e geralmente associadas ao emagrecimento. Porém, uma dieta nada mais é que uma readequação alimentar. E para a grande maioria dos pacientes oncológicos, o acompanhamento de um nutricionista é fundamental, antes ou depois de uma cirurgia, durante a químio ou até mesmo a radioterapia.

Especificamente em pacientes com câncer colorretal, a alimentação é essencial para uma recuperação adequada no pós-operatório, pois auxilia na cicatrização e mantém o estado nutricional mais saudável.

 

De forma geral, os alimentos são reinseridos na rotina gradativamente, conforme aceitação e tolerância de cada paciente. Sempre que possível, em até 24 horas após a cirurgia, o nutricionista libera uma dieta líquida, evoluindo para pastosa e, finalmente, sólida.

Entretanto, alguns alimentos são restritos até a completa evolução da consistência da dieta, por exemplo, os fibrosos e que provocam muitos gases, como feijões, lactose e ovos.

Normalmente, após todo esse processo, os pacientes voltam a comer todos os tipos de alimentos, sem intercorrências.

 

Suplemento nutricional

Suplementos nutricionais no pós-operatório são bem-vindos para a maioria dos casos.

O uso de suplementos com nutrientes imunomoduladores no pré-operatório pode beneficiar pacientes também no pós-operatório, auxiliando na reposição de nutrientes, redução do risco de infecções e do tempo de internação.

Caso o paciente esteja mais debilitado, o uso de suplemento nutricional rico em proteína é uma boa opção para auxiliar na cicatrização e recuperação do estado nutricional.

 

Colostomia e Ileostomia

A dieta para pacientes com colostomia é parecida com a de quem realiza cirurgias intestinais, ou seja, o consumo de alimentos é liberado gradativamente. Já em pacientes que realizam ileostomia, a restrição para alguns alimentos fibrosos e formadores de gases é restrita por um período mais longo, pois a falta de utilização do intestino grosso impede a formação de fezes. Vale ressaltar que, mesmo nesses casos, após tolerância e aceitação do organismo do paciente, a alimentação é regularizada.

 

Thais Manfrinato Miola - CRN 24947
Titular da equipe de Nutrição e Dietética do A.C.Camargo Cancer Center

Veja também

Evolução do câncer como alvo terapêutico
Se nossas células estão em permanente evolução, os tumores também seguem as mesmas regras da seleção natural de Darwin. Assim como as demais formas de vida, os tumores também seguem os princípios da seleção natural que todos nós aprendemos com Charles Darwin, na escola. Essa...
Câncer de mama em homens - Fique atento
Sim, homens também podem ter câncer de mama. Eles têm glândulas mamárias e hormônios femininos, ainda que em quantidade pequena. "A mama masculina é um órgão pequeno; o câncer de mama em homens é bem mais raro, mas acontece", explica a Dra. Fabiana Makdissi, Diretora...
A perigosa relação dos jovens com o cigarro
Momento de transição para a idade adulta, é na adolescência que, geralmente, acontece o período de autoafirmação social. É nessa fase que a adoção de comportamentos e a tomada de algumas decisões podem trazer consequências prejudiciais à saúde. Um desses exemplos é o cigarro, que...
Tecnologia pioneira auxilia especialistas no processo de transfusão de sangue
As tecnologias têm papel fundamental para ajudar especialistas a mapear quem precisa de transfusão e qual é a quantidade de sangue necessária durante uma cirurgia de câncer. Em um centro oncológico integrado, como o A.C.Camargo Cancer Center, muitos pacientes são tratados com cirurgias de alta...
Sintomas iniciais do câncer de estômago são inespecíficos
No início, parece uma gastrite. E muitas pessoas se automedicam ou demoram a procurar um especialista. Os sintomas iniciais do câncer de estômago são bastante inespecíficos: os pacientes costumam se queixar de queimação no estômago, má digestão, dificuldade de engolir (deglutição) e refluxo ácido. Para...