Avaliação genética poderá prever perda auditiva em crianças tratadas por câncer

Publicado em: 13/11/2019 - 21:11:00

Estudo publicado na Clinical and Translational Oncology por pesquisadores do A.C.Camargo Cancer Center descobriu que a variante genética c.313A>G do gene GSTP1 aumenta o risco das crianças tratadas com cisplatina e carboplatina virem a perder a audição a ponto de terem a fala comprometida.

Um grupo de pesquisadores do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo, trouxe uma descoberta que pode refletir na mudança da atual conduta terapêutica prescrita para crianças diagnosticadas com câncer. Ao analisar o DNA de 61 pacientes tratados com cisplatina e carboplatina durante a infância, entre 1984 e 2014 e acompanha-los com exames audiométricos, os autores puderam confirmar que pacientes que receberam maiores doses de tratamento com esses medicamentos apresentaram maior perda auditiva.

Além disso, eles avaliaram a influência da variante genética c.313A>G no gene GST (glutationa S-transferase). Esse gene codifica uma importante enzima que tem função antioxidante dentro das células. Essa função é crucial para prevenir a formação de radicais livres que lesam as membranas celulares. Apesar de não terem identificado nenhuma associação da presença da variante com perda auditiva geral, os autores descobriram uma associação com perdas em uma frequência que pode comprometer a fala. Em outras palavras, pacientes portadores da variante genética c.313A>G no gene GST tiveram perda auditiva importante com comprometimento da fala (4Kz). A presença da variante genética, de acordo com o estudo, mostrou um risco 10 vezes maior de desenvolver perda nesta frequência, podendo impactar diretamente a socialização e qualidade de vida da criança. O trabalho Contribution of the GSTP1 c.313A>G variant to hearing loss risk in patients exposed to platin chemotherapy during childhood - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30361796 - foi publicado no final de outubro na revista científica Clinical and Translational Oncology. 

A cisplatina e a carboplatina são dois quimioterápicos tradicionais. Foram aprovados pelo FDA, respectivamente, em 1978 e 1989 e, desde então, são tratamento de primeira linha para diferentes perfis biológicos de tumores pediátricos. Os pacientes reunidos no estudo foram tratados após o diagnóstico de retinoblastoma (46,0% dos casos), osteossarcoma (32,8%), tumores de células germinativas (16,4%), hepatoblastoma (1,6%), neuroblastoma (1,6%) e rabdomiossarcoma (1,6%). 

Ao descobrir que a variante c.313A>G do gene GSTP1 foi a mais representativa no material genético desses pacientes que foram impactados pelo efeito adverso ocasionado pelas substâncias tóxicas dos medicamentos, abre-se a oportunidade de, antes do tratamento com cisplatina ou carboplatina, submeter a criança a uma genotipagem (ler e interpretar as sequências de DNA do paciente)  e predizer quem apresenta risco aumentado de desenvolver perda auditiva.

“Com isso, será possível estudar a possibilidade de alteração da dosagem de cisplatina e carboplatina e os benefícios de se oferecer um acompanhamento precoce, interdisciplinar e personalizado, com audiologistas, fonoaudiólogos, otorrinolaringologistas, oncopediatras, oncologistas clínicos, dentre outros profissionais. Além disso, abre uma janela de possibilidades para a identificação de outras variáveis genéticas que estejam relacionadas com maior predisposição para a perda auditiva em frequências importantes quando expostas aos dois medicamentos”, vislumbra a cientista e Head do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do A.C.Camargo, Dirce Maria Carraro, uma das autoras do estudo. 

A pesquisa é fruto do doutorado da audiologista Patrícia Pecora Liberman, Head do Departamento de Audiologia do A.C.Camargo. As amostras de sangue dos pacientes foram extraídas do biobanco de DNA/RNA e analisadas no Laboratório sob responsabilidade de Dirce Carraro, com participação também do Centro de Engenharia Genética e Biologia Molecular da UNICAMP. O próximo passo, conforme comenta Dirce Carraro, é levar a investigação dessa e de outras variáveis para a rotina clínica da Oncologia Pediátrica da Instituição. Com isso, será possível validar esses resultados em outros grupos de pacientes, inclusive de diferentes etnias, nos quais a frequência destas variantes genéticas pode ser diferente e oferecer, portanto, maior ou menor risco para perda auditiva.

Sobre o A.C.Camargo Cancer Center

Referência internacional em oncologia, o A.C.Camargo Cancer Center é um dos mais importantes centros especializados e integrados de diagnóstico, tratamento, ensino e pesquisa do câncer. A instituição provê assistência integrada, de alta complexidade, humanizada e centrada nas necessidades e segurança dos pacientes, em todas as etapas, desde o diagnóstico até a reabilitação.

No A.C.Camargo, médicos e cientistas atuam em conjunto no desenvolvimento de pesquisas que serão aplicadas no futuro da oncologia, resultando nas melhores alternativas terapêuticas e, consequentemente, no aumento dos índices de cura e de sobrevida do paciente. Possui o mais importante centro privado de Pesquisa sobre o Cancer do país. No Ensino, é a principal Instituição formadora de especialistas, residentes, mestres e doutores em oncologia do país, aptos a compartilhar o conhecimento e atuar no combate ao câncer em benefício de toda a sociedade. 

Facebook: http://www.facebook.com/accamargocancercenter
Twitter: http://www.twitter.com/haccamargo
YouTube: http://www.youtube.com/accamargovideos
LinkedIn: http://www.linkedin.com/company/accamargo
Instagram: https://instagram.com/accamargocancercenter/

Clique aqui para acessar o formulário de atendimento à imprensa ou ligue para (11) 2189-5000 - ramal 2136


 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

7 entre 10 casos de câncer de Cabeça e Pescoço são diagnosticados em fase avançada da doença, alerta A.C.Camargo Cancer Center
Negligencia dos sintomas e demora no encaminhamento por parte de dentistas, médicos e demais profissionais da saúde são alguns dos fatores que retardam o diagnóstico de tumores na região de Cabeça e PescoçoOs tumores de cabeça e pescoço, segundo o Globocan 2012, levantamento da Organização...
9ª Corrida e caminhada A.C.Camargo Cancer Center
Com largada em frente ao Cepeusp, na Cidade Universitária, evento quer mostrar a importância da prática esportiva na prevenção do câncer e recuperação do pacienteA Corrida e Caminhada A.C.Camargo Cancer Center, que une a prática do esporte à conscientização de hábitos saudáveis, chega à nona...
A evolução do modelo Cancer Center no A.C.Camargo
A cada ano aproximadamente 600 mil pessoas são diagnosticadas com câncer no Brasil. Combater o câncer é uma causa da humanidade. Seu progresso é fruto do esforço de pessoas e instituições no mundo inteiro que, comprometidas com esse movimento, dedicam suas vidas a criar melhores...
A.C.Camargo amplia a relevância da ciência no propósito de combater o câncer
Com atuação em pesquisa básica, clínica e translacional em tumores específicos, a Instituição contribui ainda mais para aumentar o conhecimento sobre oncologiaO A.C.Camargo Cancer Center vai aumentar as atividades em linhas de pesquisa translacionais ligadas ao estudo dos carcinomas de cabeça e pescoço, tumores de...
A.C.Camargo apóia movimento global que une forças contra o câncer via redes sociais
Liderado pela Union for International Cancer Control (UICC), o movimento do Dia Mundial do Câncer - 4 de fevereiro - traz o tema WeCanICan - Nós Podemos... Eu Posso. Campanha visa conscientizar a sociedade sobre a importância de cada pessoa na desmistificação e disseminação de...