Anticoncepcional e a prevenção do câncer ginecológico

 
Publicado em: 15/09/2015 - 21:09:00

Sétimo e oitavo tipos de câncer mais comuns no Brasil, o câncer de endométrio e o de ovário têm mais de seis mil novos casos previstos para o ano de 2016. Porém, pesquisas recentes estabeleceram um importante fator de proteção para essas doenças ginecológicas, que pode ajudar a reduzir suas incidências: o anticoncepcional.



"A literatura médica observou que o uso do anticoncepcional por, pelo menos 5 anos, pode contribuir para  a prevenção de câncer de ovário. E quanto mais tempo de uso, maior o fator de proteção", afirma Dr. Glauco Baiocchi, diretor do Núcleo de Ginecologia Oncológica do A.C.Camargo. Quanto ao câncer de endométrio, Baiocchi ressalta que esse método também pode ajudar a preveni-lo, porém outras questões interferem nesse processo. "Nesse caso, a obesidade é um fator de risco bastante influente para o desenvolvimento do câncer de endométrio". Dessa forma, mesmo que a mulher faça uso contínuo do método contraceptivo, outros fatores devem ser levados em conta.

Atualmente, o risco de desenvolvimento do câncer de ovário é somente 1,4%. O uso de contraceptivo pode reduzir esse número, porém, só deve ser utilizado em caso de indicação médica. "Geralmente, recomenda-se o anticoncepcional para controlar o ciclo menstrual, para evitar a gravidez ou em razão de alterações hormonais, e não por ser fator protetor de uma doença rara na população", explica Baiocchi. "Mas é possível afirmar que um número de mulheres deixará de ter câncer de ovário e de endométrio porque usaram anticoncepcional", avalia.

Contraindicação

Nem todas as mulheres podem usar o contraceptivo no seu cotidiano. "Mulheres com histórico de trombose, especialmente a partir dos 40 anos de idade, devem evitar o uso. Outra contraindicação são as pacientes com câncer de mama", exemplifica Baiocchi.

O uso de anticoncepcional também não traz riscos à gravidez da mulher, caso ela queira engravidar futuramente. 

Dr. Glauco Baiocchi Neto - CRM 97501
Diretor do Núcleo de Ginecologia Oncológica
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 42471

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

O que o paciente com câncer deve saber sobre interações medicamentosas?
Chás e alguns medicamentos podem interferir na ação dos quimioterápicos Por Daniel Garcia, médico oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Pacientes com câncer têm um risco particularmente alto de interações medicamentosas, que, por definição, são um efeito do uso de duas (ou mais) drogas, ou...
Touca de resfriamento - Uma forma de colaborar com a autoestima e preservar a privacidade dos pacientes
Tentar manter a autoestima durante o tratamento de câncer ajuda no bem-estar e na qualidade de vida e também a paciente a se sentir mais bonita e até mais forte para seguir com os cuidados necessários. Nem sempre isso é tão simples. Um dos efeitos...
Como o pioneirismo em cirurgia robótica acelera a recuperação de pacientes
Artigo científico descreve como foi a implementação dessa tecnologia aqui no A.C.Camargo e que temos, hoje, expertise similar aos melhores do mundo Somos pioneiros na América Latina em cirurgia robótica de cabeça e pescoço, com expertise similar aos centros de referência do mundo. A primeira...
Orientações sobre a gripe 2018
A gripe A influenza ou gripe é uma infecção respiratória aguda, causada pelo vírus influenza, com alto potencial de transmissão. Os primeiros sintomas geralmente são: febre, dor muscular e tosse seca. A evolução costuma ser branda e autolimitada, por período de quatro dias a sete...
O exame de sangue oculto nas fezes é o método ideal para rastreamento do câncer colorretal em grandes populações
Pouca gente se lembra de fazer – e às vezes até mesmo os médicos se esquecem de pedir – o exame de sangue oculto nas fezes. Entretanto, ele é muito eficiente para ajudar no diagnóstico do câncer de intestino e tem a vantagem de ser...