Agrotóxicos podem aumentar o risco de câncer?

Publicado em: 10/03/2015 - 12:03:00

Verdade. Agrotóxicos, ou defensivos agrícolas, são produtos químicos empregados para controlar insetos, doenças, ou ervas daninhas que causem dano às plantações. Tais produtos são cercados de polêmica, pois seu uso pode ter impacto negativo sobre a saúde humana. Estudos apontam que os agrotóxicos podem desencadear diversos efeitos colaterais, que podem ser imediatos, como alergias, vômitos ou mal-estar, ou tardios, como paralisias e doenças crônicas.

Dentre os possíveis problemas associados aos defensivos está o maior risco de desenvolvimento de câncer. "Há diversos estudos toxicológicos detalhando os mecanismos pelos quais as moléculas de agrotóxicos podem provocar a neoplasia", conta a nutricionista Fernanda Pires, Supervisora do Serviço de Nutrição e Dietética do A.C.Camargo Cancer Center. "Os agrotóxicos podem atuar como iniciadores, promotores e aceleradores de mutações que originam um tumor. A maioria das moléculas que compõem os defensivos agrícolas atua dessas três formas", explica. Além disso, alguns agrotóxicos contêm os disruptores endócrinos, substâncias químicas capazes de interferir no sistema endócrino do organismo e de provocar efeitos deletérios à saúde mesmo em quantidades muito pequenas.

O acúmulo de defensivos no organismo pode elevar o risco de surgimento de diversas neoplasias, como câncer de mamatestículos e fígado. Crianças, que têm o sistema imunológico ainda em desenvolvimento, podem ser expostas aos agrotóxicos já na gestação e correm maior risco de desenvolver leucemia e linfoma.

Para evitar esse tipo de complicação, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) delimita a quantidade máxima de agrotóxicos que o corpo humano pode consumir diariamente. De acordo com a agência, a ingestão de resíduos dentro do Índice Diário Aceitável (IDA) não causa danos à saúde. Para a aprovação de novos agroquímicos, são obrigatórios estudos que comprovem o respeito a esse índice, calculado através dos Miligramas (mg) pelo peso (kg) do consumidor.

Como evitar?

Para minimizar o risco de efeitos colaterais, o ideal é consumir a menor quantidade possível de agrotóxicos. Deve-se dar preferência aos alimentos orgânicos, livres desse tipo de substância. Porém, como os orgânicos nem sempre têm um custo acessível, outra opção é consumir alimentos da época, que a princípio recebem menor quantidade de defensivos para serem produzidos.

Além dessas medidas, Fernanda comenta que é preciso lavar sempre os alimentos antes do preparo ou do consumo, para reduzir os resíduos presentes na superfície. Ela pontua que, até o momento não existem evidências científicas que comprovem a eficácia da água sanitária ou do cloro na remoção ou eliminação de resíduos de produtos químicos. "As populares soluções de água sanitária devem ser usadas para a higienização dos alimentos na proporção de uma colher de sopa para um litro de água, com o objetivo apenas de matar agentes microbiológicos que possam estar presentes nos alimentos, mas não de remover os agrotóxicos", finaliza.

Fernanda Pires - CRN 13358
Supervisora do Serviço de Nutrição e Dietética

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

"Tirinhas sem Graça" - Cartunistas deixam a piada de lado e falam sério sobre câncer de próstata
O câncer de próstata é um assunto que deve ser sempre levado a sério. Baseado nesse conceito, o A.C.Camargo divulgou a ação "Tirinhas sem Graça", criada pela agência J. Walter Thompson, com ilustrações de alguns dos principais cartunistas do Brasil sobre a importância do diagnóstico...
462 anos de São Paulo: conheça alguns destaques da maior cidade do país
A cidade mais populosa de toda a América celebra hoje 462 anos. São Paulo não só é um município de grande influência política e econômica, mas também local de ricas histórias, com locais e personagens marcantes. Como homenagem à cidade sede do A.C.Camargo, conheça alguns...
7 entre 10 casos de câncer de fígado e estômago são relacionados com Hepatites B e C e H. pylory
Estimativa realizada pelo A.C.Camargo Cancer Center aponta que 70% dos tumores de estômago são associados à presença da bactéria H. pylori. O mesmo percentual é atribuído às Hepatites B e C em relação ao hepatocarcinoma, tipo mais comum de câncer no fígado. Além dessas infecções...
A perigosa relação dos jovens com o cigarro
Momento de transição para a idade adulta, é na adolescência que, geralmente, acontece o período de autoafirmação social. É nessa fase que a adoção de comportamentos e a tomada de algumas decisões podem trazer consequências prejudiciais à saúde. Um desses exemplos é o cigarro, que...
A relação entre tabagismo e obesidade com câncer de pâncreas
Os dados podem assustar: fumantes têm risco de 2 a 6 vezes maior do que não fumantes de desenvolver câncer de pâncreas; entre 20% e 30% dos pacientes diagnosticados são fumantes; e 20% dos pacientes são obesos e diabéticos obesos. A principal forma de prevenir...