Nomograma preditor de recidiva em pacientes com linfonodo sentinela negativo

Este nomograma foi desenvolvido pelo Dr. Eduardo Bertolli, cirurgião oncológico da Oncologia Cutânea, com a colaboração do pesquisador Vinicius Calsavara, matemático/estatístico do Núcleo de Epidemiologia e Estatística em câncer (NEECAN - CIPE). É utilizado nos casos em que o linfonodo sentinela é negativo e , aparentemente, esses pacientes estão numa situação menos grave. Entretanto, trata-se de um grupo heterogêneo e alguns deles têm, sim, risco alto de recidiva do melanoma após a cirurgia. O nomograma pode quantificar com mais precisão as características e os riscos de cada caso, indicando quais pacientes precisam de fato de um acompanhamento mais constante e rigoroso. Assim não é preciso ficar pedindo exames desnecessários, que oneram os custos e estressam os pacientes. A criação desse nomograma está descrita no artigo A nomogram to identify hig-risk melanoma patients with a negative sentinel node biopsy, publicado no Journal of the American Academy of Dermatology.

Artigo

Bertolli E, de Macedo MP, Calsavara VF, Pinto CA, Neto JP. A nomogram to identify high-risk melanoma patients with a negative sentinel lymph node biopsy. Journal of the American Academy of Dermatology. 2019 Mar 1;80(3):722-6.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam