Tireoide

As projeções do Instituto Nacional de Câncer (Inca) indicam que em 2020 haverá 13.780 novos casos de câncer de tireoide no Brasil, sendo 1.830 em homens e 11.590 em mulheres. Esses números demonstram com evidência que esse tipo de câncer é muito mais frequente em mulheres do que em homens. 

Nódulos na tireoide são bastante comuns e, por causa de sua localização, os médicos, e muitas vezes os pacientes, conseguem senti-los com uma simples apalpação. Felizmente, entre 90% e 95% desses nódulos são benignos. Além disso, os cânceres de tireoide podem ser detectados precocemente e o sucesso do tratamento pode chegar a 97% dos casos. 

A tireoide é uma glândula que fica na frente do pescoço e tem a forma de uma borboleta, com dois lobos de cada lado da traqueia unidos pelo istmo. Ela produz dois hormônios que contêm iodo, a tiroxina (T4) e a triiodotironina (T3), que controlam a velocidade do metabolismo, influenciam o desenvolvimento do corpo e a atividade do sistema nervoso. Hormônios demais (o hipertireoidismo) tornam a pessoa hiperativa, nervosa, com fome e faz com que perca peso. Hormônio de menos (o hipotireoidismo) faz com que a pessoa fique mais lenta, se sinta cansada e engorde. A produção dos hormônios da tireoide é regulada por outra glândula, a hipófise (ou pituitária), que fica no cérebro e sintetiza o hormônio estimulador da tireoide (TSH). 

A tireoide tem dois tipos principais de células: as dos folículos tireoideanos, que produzem e armazenam hormônios e uma proteína chamada tiroglobulina, e as células C ou parafoliculares tireoideanas, que produzem calcitonina, um dos hormônios que regula o metabolismo de cálcio no organismo. 

Os tipos mais comuns de câncer de tireoide são o carcinoma papilífero e o carcinoma folicular. O carcinoma papilífero representa mais de 80% dos casos, desenvolve-se nas células foliculares e tem crescimento lento. Geralmente atinge um único lobo da tireoide, mas entre 10% e 80% dos casos apresentam múltiplos focos da doença dentro da tireoide. Apesar de se desenvolver lentamente, o carcinoma papilífero pode atingir os gânglios linfáticos do pescoço, mas, ainda assim, o tratamento costuma ser bem-sucedido e esse tipo de câncer raramente é fatal. 

Já o carcinoma folicular é raro no Brasil, porque consumimos sal iodado. É mais comum em países ou regiões em que a população não recebe suprimento de iodo na alimentação. O carcinoma folicular, porém, pode atingir pulmões e ossos.

Várias doenças benignas e outros cânceres de pescoço podem ter os mesmos sintomas que o câncer de tireoide. Por isso, é preciso consultar um médico se você tiver:

  • Nódulo no pescoço, que às vezes cresce muito depressa
  • Dor na parte da frente do pescoço, que pode irradiar para os ouvidos
  • Rouquidão ou mudança no timbre de voz que não passa com o tempo
  • Dificuldade para engolir
  • Dificuldade para respirar, como se você estivesse respirando por um canudinho
  • Tosse que não passa e não é causada por gripe

FATORES DE RISCO

Vale lembrar que fatores de risco aumentam o seu risco de desenvolver câncer de tireoide, mas isso não quer dizer que você vai ter câncer de tireoide.

Idade: pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum na faixa dos 30 aos 50 anos.

Sexo: a incidência em mulheres é três vezes maior que a incidência em homens.

Exposição à radiação: crianças que fizeram tratamento com radiação na região da cabeça e do pescoço ou radioterapia para câncer, como linfoma de Hodgkin, também correm maior risco de ter câncer de tireoide mais tarde. Isso não ocorre com adultos que fazem radioterapia.

Doenças hereditárias: Algumas doenças como síndrome de Gardner e polipose familial aumentam o risco de câncer em vários órgãos, inclusive tireoide. A doença de Cowden, que é rara, também aumenta o risco de câncer de tireoide. Algumas famílias, que representam 5% dos casos, apresentam incidência incomum de carcinoma papilífero.

O câncer de tireoide pode ser diagnosticado antes mesmo de apresentar sintomas, num exame médico de rotina. E, como as mulheres são a maioria dos casos, são os ginecologistas que costumam detectar nódulos suspeitos. O passo seguinte é procurar um especialista em cabeça e pescoço, que vai pedir uma série de exames.

A punção biópsia por aspiração com agulha fina (PAAF) é o método mais simples de diagnóstico e ela geralmente é feita no consultório. Uma agulha fina é introduzida no nódulo três ou quatro vezes para retirar amostras de diferentes áreas, que depois são analisadas pelo patologista. Quando os nódulos são muito pequenos, o exame é guiado por ultrassom. Nos casos em que os resultados não são conclusivos, esse exame é repetido e, se a dúvida persistir, o médico pode optar por uma cirurgia diagnóstica, a remoção de parte ou de toda a glândula e seu posterior exame.

A cintilografia, exame em que uma pequena quantidade de iodo é administrada por via oral ou injetável, é outro exame que pode ser pedido para avaliar o potencial de disseminação do tumor depois de uma cirurgia em que a tireoide tenha sido totalmente removida. Como o iodo se concentra na tireoide, uma câmera especial é usada para registrar onde ele se concentra. O exame é mais preciso se o paciente apresentar altos níveis de hormônio estimulador da tireoide (TSH) e, por isso, atualmente o paciente pode receber este hormônio injetável antes do exame, se necessário.

Tanto a tomografia quanto a ressonância magnética não costumam ser usadas para diagnosticar o câncer de tireoide, mas sim para determinar seu tamanho, se avançou para gânglios linfáticos ou outros órgãos e também para mostrar se há tumores dentro da tireoide. A tomografia por emissão de pósitrons (PET-CT) é usada nos casos em que o câncer não absorve iodo radiativo e indica se o câncer se espalhou ou não.

Exames de sangue não conseguem detectar câncer, mas os níveis de T4 e de TSH servem para avaliar a atividade da tireoide. Em pessoas que tiveram câncer e removeram a tireoide os níveis de TSH devem ser baixos. Um marcador, a tireoglobulina, deve permanecer em níveis baixos, mas, se estes estiverem altos, pode indicar que o câncer voltou, o que os médicos chamam de recidiva.

ESTADIAMENTO

O estadiamento é uma forma de classificar a extensão do tumor e se, ou quanto, ele afetou os gânglios linfáticos ou outros órgãos. Para isso, é usada uma combinação de letras e números: T de tumor, N de nódulos (ou gânglios linfáticos) e M de metástase, e números que vão de 0 (sem tumor, ou sem gânglios afetados ou sem metástase) a 4, este último indicando maior acometimento.

O tratamento do câncer de tireoide inclui cirurgia, iodoterapia, terapia hormonal, radioterapia e quimioterapia. Geralmente, dois desses métodos são usados.

O tratamento-padrão é a cirurgia, com exceção de uma forma bem rara da doença, o câncer de tireoide anaplástico. Como os carcinomas papilíferos podem aparecer nos dois lobos da glândula e o carcinoma folicular é mais agressivo, a tendência é remover toda a tireoide. Nos casos de carcinomas papilíferos com menos de 1 cm, sem sinais de comprometimento de órgãos próximos, o cirurgião pode retirar apenas o lado comprometido da tireoide, o que os médicos chamam de lobectomia.

Se houver gânglios linfáticos próximos atingidos pela doença, eles também são retirados. Células cancerosas que ainda permaneçam no local são eliminadas posteriormente, com a iodoterapia. Normalmente, o paciente tem alta do hospital em um ou dois dias. Antes da cirurgia, o especialista pode pedir também um exame das cordas vocais, porque, em casos raros, a cirurgia pode causar rouquidão temporária ou permanente. A cirurgia também pode causar dano às paratireoides, glândulas que ficam perto da tireoide e que ajudam a controlar o metabolismo de cálcio. Quando isso acontece, o paciente pode ter queda dos níveis de cálcio no sangue e ter espasmos musculares e sensação de dormência. A melhor maneira de evitar esses riscos é procurar um cirurgião de cabeça e pescoço experiente.

Após a cirurgia, o paciente é tratado com uma pílula de iodo radiativo, que mata células cancerosas que eventualmente não foram removidas na cirurgia ou que já tinham se espalhado para os gânglios linfáticos e outros órgãos. Como a tireoide absorve quase todo o iodo do organismo, esse tratamento não afeta as células saudáveis. Antes da iodoterapia, o paciente pode receber uma injeção de TSH, ou permanecer sem tomar o hormônio T4, situação em que o TSH eleva-se espontaneamente, para estimular o tecido que restou da glândula e as células cancerosas a absorver o iodo radiativo. Depois, o paciente pode ou não ter a necessidade de ser internado para iodoterapia. Nesses casos, ele ingere a cápsula e fica isolado por um ou dois dias por causa da radiatividade. O tratamento pode desregular o ciclo menstrual e as pacientes são aconselhadas a evitar engravidar nos primeiros 6 a 12 meses após o término da terapia.

Sem a tireoide, os pacientes não têm mais como produzir os hormônios dessa glândula e, por causa disso, têm de fazer reposição hormonal pelo resto da vida, com comprimidos. Os hormônios que a tireoide sintetiza inibem a ação do TSH, produzido na pituitária e que estimula o crescimento da tireoide e provavelmente o das células cancerosas também. Por isso, é importante que os níveis de TSH se mantenham baixos, reduzindo o risco da volta do câncer, a recidiva.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam