Neuroendócrinos

Considerados raros, eles se originam das células neuroendócrinas, que estão espalhadas por todo o corpo, principalmente pelo pulmão e pelo trato gastrointestinal.

As células neuroendócrinas têm características tanto de células endócrinas produtoras de hormônios quanto de células nervosas. 

São muito variados, a depender da localização e do tipo do tumor neuroendócrino. São tumores muito diversos, que podem desencadear diferentes sintomas e sinais.

Então, se um tumor neuroendócrino se instala no pâncreas, por exemplo, e produz um hormônio chamado glucagon, o paciente pode apresentar quadro clínico de diabetes. Outra possibilidade é haver quadro de diarreia e rubor facial quando o tumor está no intestino fino.

Mas, em muitos casos, os tumores neuroendócrinos não produzem hormônios que geram sintomas. Assim, muitas vezes, o diagnóstico é feito quando a doença já está bem avançada.

É um desafio, já que os sintomas relativos a esses tumores que não produzem hormônios podem ser algo muito vago, como um desconforto abdominal, diarreia esporádica e perda de peso.

FATORES DE RISCO

Poucos fatores de risco são conhecidos como vilões para o desenvolvimento de tumores neuroendócrinos. Alimentação, álcool e cigarro, aparentemente, não apresentam relação.

Existe, sim, alguma conexão com hereditariedade, com algumas síndromes hereditárias, genéticas, que aumentam o risco de tumores neuroendócrinos.

Entre elas, as mais comuns são: a neoplasia endócrina múltipla (tipos 1 e 2) e a Síndrome de Von Hippel-Lindau.

Eles são detectados por meio de exames PET Scan – tomografias computadorizadas por emissão de pósitrons.

Há dois tipos:

- PET Scan Gálio 68: é um exame específico para um tumor neuroendócrino.
- PET-FDG: é um PET Scan utilizado tanto para aferir vários tipos de tumores sólidos como para avaliar a agressividade dos tumores neuroendócrinos.

ESTADIAMENTO

Também faz parte do estadiamento a avaliação da pesquisa de hormônios secretados por esses tumores, que é feita por meio de exames de sangue ou até de urina.

 

Há inúmeros. Esses tratamentos levam a um controle da doença bem efetivo, nos quais os pacientes vivem por muitos anos e com boa qualidade de vida. São eles:

- Medicina Nuclear: é a modalidade de tratamento mais recente. Trata-se de uma terapia-alvo administrada pela veia na qual a célula tumoral é, vamos dizer, bombardeada com radioterapia – é uma radioterapia que ataca diretamente dentro da célula do tumor neuroendócrino, poupando a maior parte dos outros tecidos sadios.
- Quimioterapia: é uma hipótese em alguns casos específicos; pode ser endovenosa ou oral – pela boca, apresenta ótimos resultados e poucos efeitos colaterais.
- Hormonioterapia: é feita com injeções mensais.
- Drogas de alvo molecular: são ministradas em comprimidos.

É importante lembrar quão relevante é a multidisciplinaridade nesses tumores. Ou seja, várias especialidades têm de estar envolvidas, como ocorre em complexos médicos aonde existem Tumor Boards, grupos que contam com várias especialidades dedicadas ao paciente – endocrinologistas, cirurgiões oncológicos, médicos nucleares e oncologistas.

Enfim, esses profissionais especialistas em tumores neuroendócrinos fazem a diferença.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam