Vacinação contra covid-19 para crianças

Publicado em: 12/01/2022 - 10:01:12
Linha Fina

Confira um guia rápido sobre o tema com as principais perguntas e respostas

No início de 2022, o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de crianças da faixa etária de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO). Estima-se que esse público seja de 20 milhões de crianças.

Confira abaixo as principais perguntas e respostas para a vacinação de crianças contra a covid-19.

1. Todas as crianças podem tomar a vacina?

Sim, todas podem. A vacina da Pfizer usa uma parte de RNA sintético, feito em laboratório. Não usa o vírus inteiro. Por isso, é segura para qualquer tipo de criança, seja com a imunidade baixa, com outras doenças inflamatórias, crônicas, entre outras.

Por questão de segurança e indicação, a prioridade são as crianças com algum tipo de doença e imunidade comprometida, pois elas têm um grande risco de contrair a forma grave da covid-19 e a vacina ajuda a reduzir muito esse risco.

2. Pacientes pediátricos oncológicos em tratamento com quimioterapia e radioterapia também podem tomar a vacina?

Sim. Mesmo para a criança em tratamento oncológico (imunossuprimida), que tenha doença ativa ou não, a vacina é indicada. É recomendado que os responsáveis pela criança conversem com o oncologista para saber o melhor momento da vacinação, para que a resposta imunológica proporcionada pela vacina seja a melhor possível. 

Crianças com o sistema imune muito debilitado, por exemplo, podem não aproveitar todo o potencial de imunização da vacina. Também vem sendo avaliado doses de reforço para essa população, devido à chance de falha de imunização com esquema convencional pela menor produção de anticorpos.

3. A vacina contra a covid-19 oferece algum risco para as crianças?

Não. A vacina que será aplicada nas as crianças é a da Pfizer, uma vacina muito segura e eficaz na população em geral e também para as crianças. Estudos iniciais com mais de 4.500 crianças não relataram efeitos colaterais graves. 

4. Quando não é recomendado que as crianças tomem a vacina?

A única contraindicação seria se a criança tiver uma reação alérgica muito grave na primeira dose, como um choque anafilático, por exemplo. Nesse caso, seria contraindicada a segunda dose.

5. Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Dor e vermelhidão no local da aplicação, febre e dor no corpo. Geralmente, duram até 48h após aplicação. Se os efeitos colaterais passarem de 72h, é importante procurar o atendimento pediátrico.

6. A vacina é a mesma do adulto? 

O tipo de vacina é o mesmo, mas foi feita uma dosagem mais adequada para faixa etária do público infantil, com menos RNA na composição. 

7. Porque vacinar crianças se tivemos menos casos em comparação com a população adulta?

Mesmo que o número em crianças contaminadas seja menor, existem casos de crianças que adquiriram a forma grave da doença e de morte. Além de proteger a saúde dos pequenos, a vacinação em massa ajuda a parar a circulação do vírus, pois quanto maior o número de pessoas vacinadas, mais barreiras contra a circulação viral teremos. Também é uma proteção indireta para familiares considerados como grupo de risco.

8. Quantas doses as crianças vão tomar?

Inicialmente, serão duas doses, com intervalo mínimo de 21 dias.

9. Como a vacinação pode ajudar o paciente pediátrico oncológico?

Estudos indicam que uma pessoa imunizada tem menor tempo de transmissibilidade do vírus e menor carga viral. Dessa forma, reduz a capacidade de infectar o próximo, sobretudo um paciente em terapia oncológica que não pode receber o imunizante.

Mesmo as infecções se mostrando menos letais do que na faixa etária dos adultos, foram registrados mais de 300 óbitos com idade pediátrica no Brasil. Com a vacinação para crianças a partir de 5 anos de idade, essa taxa de letalidade deve reduzir, sobretudo nos indivíduos imunossuprimidos que são os mais vulneráveis. 

Paciente imunizado tende a ter menor tempo de duração dos sintomas e maior chance de permanecer assintomático durante a infecção. Com isso, é possível reduzir tanto os atrasos nos tratamentos quanto a alteração de protocolos terapêuticos.

10. Os efeitos colaterais da vacina podem ser diferentes no paciente oncológico?

Até o momento, não existe evidência de maior ocorrência ou maior intensidade dos efeitos colaterais dentre os relatados para paciente oncológico pediátrico.

11. Existe algum cuidado especial que deve ser tomado?

É importante seguir a programação das segundas doses ou de reforço, se houver, além de manter o uso de máscara, higienização das mãos e evitar aglomerações.

 

Fontes:
Dra. Anna Claudia Turdo, infectologista do A.C.Camargo Cancer Center
Dr. Carlos Eduardo Ramos Fernandes, pediatra do A.C.Camargo Cancer Center
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
"O homem não pode se descuidar de jeito nenhum!"
Sou Carlos Levy, tenho 75 anos, funcionário público aposentado e pai de cinco filhos. Também sou avô dos meus quatro queridos netos e casado com o amor da minha vida, Amália. Desde meus 50 anos tenho um compromisso comigo mesmo: fazer meus exames periódicos. Sigo...
15 de setembro - Dia mundial de conscientização sobre linfomas
Como se prevenir deles? Indo ao médico assim que perceber os sintomas. Então apareceu um gânglio diferente no pescoço, ou na axila, ou na virilha, que não dói, mas você sente extremo cansaço, febre, está suando à noite e também perdendo peso sem razão aparente...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...
25/09 - Palestra Segurança do Paciente: participe!
A importância do paciente, acompanhante e cuidador no atendimento hospitalar Convidamos você para participar de uma palestra especial, onde falaremos sobre a importância de cada pessoa nas questões relacionadas à segurança de nossos pacientes. Será uma tarde de compartilhamento de muito conhecimento e experiências. Você...