Estudo analisa papel da quimiorradiação neoadjuvante e de proteínas como a Rab5C em pacientes com câncer retal

 
Publicado em: 10/09/2019 - 09:09:17

Conduzida por cientistas do A.C.Camargo, pesquisa abre caminho para tratar pacientes com câncer retal de forma mais personalizada

 

No Brasil, para cada ano do biênio 2018-2019, estimam-se 18.980 novos casos de câncer colorretal em mulheres e outros 17.380 em homens, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). E o câncer retal representa um terço disso. 

Um protocolo bem estabelecido para o tratamento, que vem reduzindo o risco de recidiva local, é a quimiorradiação neoadjuvante: combinação de radioterapia com quimioterapia comum – as duas ao mesmo tempo – indicada antes da cirurgia em tumores localmente avançados.

Uma resposta patológica completa, no entanto, somente é alcançada em cerca de 20% dos casos, e os mecanismos associados à resistência ainda são pouco compreendidos. Daí surgiu um estudo para identificar potenciais alvos e prevenir a intolerância à quimiorradiação neoadjuvante, um trabalho intitulado Rab5C Enhances Resistance to Ionizing Radiation in Rectal Cancer (Rab5C Melhora Resistência à Radiação Ionizante no Câncer Retal).

 

Intuitos

Publicado no Journal of Molecular Medicine, o estudo consistiu em analisar amostras de biópsia coletadas de pacientes com adenocarcinoma retal de estágios II e III antes do tratamento neoadjuvante. Esses dados foram comparados com tecidos tumorais residuais removidos por cirurgia após a terapia neoadjuvante. Três proteínas, Ku70, Ku80 e Rab5C, exibiram um aumento significativo na expressão após a quimiorradiação.

“O objetivo do trabalho foi identificar ferramentas moleculares para predição de resposta ao tratamento pré-operatório em câncer de reto”, conta um dos autores, Samuel Aguiar Junior, head do Núcleo de Tumores Colorretais do A.C.Camargo.

“O tratamento pré-operatório, que é a quimiorradioterapia neoadjuvante, pode resultar em destruição completa do tumor, o que chamamos de resposta completa, e acontece em cerca de 20 % dos pacientes. Em casos muito selecionados, poderíamos até evitar a cirurgia. Mas, até o momento, não temos ferramentas com acurácia confiável e segura para determinar a resposta completa sem a cirurgia”, explica o médico, que ressalta que vários centros de referência no mundo tentam identificar essas ferramentas.

 

Terapia personalizada

Para entender melhor o papel das proteínas Ku70, Ku80 e Rab5C na resistência à terapia, uma linhagem de adenocarcinoma retal foi irradiada para gerar uma linhagem resistente à radioterapia. Essas células superexpressam as mesmas três proteínas identificadas nas amostras de tecido. 

Verificou-se, também, que a resistência à radioterapia nesse modelo in vitro envolve a modulação da internalização do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) por Rab5C, em resposta à irradiação. Isso afetou a expressão das proteínas de reparo do DNA, Ku70 e Ku80.

Em conjunto, esses achados indicam que o EGFR e o Rab5C são alvos potenciais para a sensibilização de células de câncer retal e devem ser mais investigados.

De acordo com o doutor Samuel Aguiar, o estudo abre uma nova linha de investigação no tratamento do câncer do reto. “Se conseguirmos validar o resultado em um ensaio clínico, podemos tratar pacientes com essa doença de forma mais personalizada”, analisa o especialista.

 

Prevenção 

A melhor forma de tentar se precaver ante o câncer retal é a colonoscopia. “Para o público geral, é recomendada a partir dos 45 anos”, avisa o doutor Samuel.

Para conferir o estudo (em inglês), clique aqui.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Síndrome de Li-Fraumeni: estudo que envolveu o A.C.Camargo pode mudar o aconselhamento genético da doença de forma marcante
Pesquisa internacional analisou dois tipos de mutações que estão ligadas à predisposição ao câncer A Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) é uma doença hereditária de predisposição ao câncer, relacionada a mutações no gene TP53. Uma das mutações neste gene, denominada R337H, é encontrada apenas no Brasil...
Câncer colorretal: A.C.Camargo apresenta pôster em colaboração com o MD Anderson Cancer Center
Por Samuel Aguiar Junior, cirurgião oncologista e head do Centro de Referência em Tumores Colorretais e Sarcoma do A.C.Camargo Intitulado Consensus Molecular Subtypes in Colorectal Cancer Differ by Geographic Region, este pôster apresentado na ASCO mostra resultados iniciais de uma colaboração do A.C.Camargo Cancer Center...
Atualização de seguimento de conduta terapêutica com base na assinatura genética mammaprint
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama Existem esforços muito grandes em reduzir a indicação de quimioterapia para pacientes com câncer de mama receptor hormonal positivo precoce estadio clínico I e II ou aquelas mulheres que têm...
Câncer colorretal metastático: foco em pacientes HER2 positivos
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Foi apresentado o estudo DESTINY-CRC01. Este estudo é um estudo pequeno, de fase II, multicêntrico que avaliou a eficácia de uma nova droga, o Trastuzumabe Deruxtecan (T-Dxd), em pacientes com carcinoma de cólon...
O câncer de próstata e a Oncogenética
Alguns perfis de pacientes tendem a um risco aumentado de desenvolver esse tipo de tumor e precisam antecipar o rastreamento Câncer de próstata, uma enfermidade ligada ao fator genético. Estudos mostram que de 10 a 12% desse tipo de tumor estão associados a mutações genéticas...