Atualização de seguimento de conduta terapêutica com base na assinatura genética mammaprint

Publicado em: 01/06/2020 - 14:06:55
Institucional
Pesquisa
Genética
Tumores de Mama

Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama

Existem esforços muito grandes em reduzir a indicação de quimioterapia para pacientes com câncer de mama receptor hormonal positivo precoce estadio clínico I e II ou aquelas mulheres que têm até três linfonodos comprometidos na axila.

Para isso, é utilizada uma ferramenta chamada de assinatura genética. Existe uma assinatura de 70 genes, chamada mammaprint, que já demonstrou conseguir separar essas mulheres em dois subgrupos de pacientes: aquelas com baixo risco de recidiva e alto risco de recidiva.

Existe um estudo mostrando que as mulheres com baixo risco de recidiva poderiam ser poupadas da quimioterapia, o que nos deixava mais tranquilos em não oferecer quimioterapia para as mulheres que, nessa assinatura genética, tinham um baixo risco se tivessem até três linfonodos comprometidos.

Quando não tem a assinatura genética para decidir o tratamento, usamos o risco clínico. Alguns fatores podem determinar se esse tumor tem um risco alto ou baixo. São eles: o tamanho do tumor, o grau histológico, que é visto num microscópio, e o comprometimento ou não da axila.

Então, nessas pacientes, se a gente fizesse o mammaprint, elas poderiam concordar no risco clínico e no risco genômico. Por exemplo: se ela tem um risco clínico baixo e genômico baixo, com certeza não é preciso fazer quimioterapia, somente a terapia hormonal, que é muito menos tóxica e terá o mesmo efeito para essa paciente; se ela tem um risco clínico alto e genômico alto, no estudo, já foi direto para quimioterapia sem que se fizesse comparação para essas mulheres.

Também temos aquelas mulheres que chamamos de discordantes, com risco clínico alto e genômico baixo e vice-versa. Então, no congresso foram mostradas as pacientes que tinham risco clínico alto e genômico baixo e como elas se comportaram.

No grupo como um todo, o risco clínico alto e genômico baixo poderia ser poupado de quimioterapia. Dessas mulheres, 90% delas já tinham mais de cinco anos de seguimento e cerca de70% tinham mais de oito anos de seguimento. Para essas pacientes, a diferença não foi significativa.

No grupo com oito anos de acompanhamento, notou-se que, para mulheres maiores de 50 anos, a diferença entre fazer ou não a quimioterapia acaba sendo pequena. Mas, para aquelas pacientes pré-menopausadas, pode ter até 5% de diferença em oito anos.

Então, a mudança é que, para as mulheres pós-menopausadas, para um mammaprint de baixo ou alto risco, independentemente do risco clínico, pode-se deixar a paciente sem quimioterapia, sem prejuízo para ela. Já a paciente pré-menopausada que tem um risco clínico alto com um mammaprint de baixo risco, é preciso discutir a conduta, pois esta paciente pode ter uma diferença favoreça a quimioterapia.

Se a paciente é pre-menopausada, tem um risco clínico alto e um genômico baixo, a diferença é bem menor, em torno de 2,6%. Então, é preciso discutir com a paciente entre fazer a quimioterapia para um risco de 2,6% ou só intensificar a hormonioterapia.

Porém, o principal ponto para as pré-menopausadas é que, se apresentarem um risco clínico baixo e genômico alto, é preciso pensar em fazer a quimioterapia.

A assinatura genética mammaprint é mais um dos fatores que levamos em conta para decidir o tratamento, assim como o risco clínico e a idade, bastante importantes para essas mulheres.

Solange Moraes Sanches

Saiba mais:
- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

XXVII Jornada de Patologia traz palestrantes nacionais e internacionais para discutir os tumores da mulher
Concebido pelo A.C.Camargo Cancer Center em parceria com a Sociedade Brasileira de Patologia, tradicional evento acontecerá nos dias 1 e 2 de novembro e será voltado à saúde feminina Realizada desde 1997 em São Paulo, a jornada representa um acontecimento tradicional no calendário da patologia...
Cientistas brasileiros lideram estudo que pode revolucionar o tratamento do câncer de próstata
Um estudo iniciado há mais de cinco anos no MD Anderson Cancer Center, em Houston, Estados Unidos, por um grupo de pesquisadores de diversos países, entre eles três brasileiros, acaba de ter suas conclusões publicadas em uma das principais revistas científicas internacionais, o PNAS (Proceedings...
Nefrostomia guiada por tomografia é eficaz para melhorar a função renal
Pesquisa desenvolvida no A.C.Camargo Cancer Center avalia procedimento necessário quando há obstrução das vias urinárias na pelve A nefrostomia percutânea é a colocação de um dreno diretamente no interior do rim. Esse procedimento é necessário quando há uma obstrução das vias urinárias na pelve, que...
Uma touca de eletrodos para tratar glioblastomas
O método inovador envolve o tumor em campo elétrico e apresenta resultados melhores do que qualquer medicação. Um método nada convencional de tratamento para o glioblastoma multiforme, tipo de tumor de cérebro muito agressivo, propõe que o paciente use uma touca de eletrodos continuamente (18...
Equipe médica do A.C.Camargo participa de evento internacional sobre laringectomizados
Médicos do A.C.Camargo serão palestrantes no workshop on-line do Global Postlaryngectomy Rehabilitation, organizado pelo Instituto do Câncer da Holanda (Netherlands Cancer Institute), nos dias 6 e 7 de maio. O evento reúne médicos do mundo todo para debater técnicas e evidências clínicas mais recentes com...