Atualização de seguimento de conduta com base na assinatura genética mammaprint Pular para o conteúdo principal

Atualização de seguimento de conduta terapêutica com base na assinatura genética mammaprint

 
Publicado em:

Atualização de seguimento de conduta terapêutica com base na assinatura genética mammaprint

Publicado em:

Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama

Existem esforços muito grandes em reduzir a indicação de quimioterapia para pacientes com câncer de mama receptor hormonal positivo precoce estadio clínico I e II ou aquelas mulheres que têm até três linfonodos comprometidos na axila.

Para isso, é utilizada uma ferramenta chamada de assinatura genética. Existe uma assinatura de 70 genes, chamada mammaprint, que já demonstrou conseguir separar essas mulheres em dois subgrupos de pacientes: aquelas com baixo risco de recidiva e alto risco de recidiva.

Existe um estudo mostrando que as mulheres com baixo risco de recidiva poderiam ser poupadas da quimioterapia, o que nos deixava mais tranquilos em não oferecer quimioterapia para as mulheres que, nessa assinatura genética, tinham um baixo risco se tivessem até três linfonodos comprometidos.

Quando não tem a assinatura genética para decidir o tratamento, usamos o risco clínico. Alguns fatores podem determinar se esse tumor tem um risco alto ou baixo. São eles: o tamanho do tumor, o grau histológico, que é visto num microscópio, e o comprometimento ou não da axila.

Então, nessas pacientes, se a gente fizesse o mammaprint, elas poderiam concordar no risco clínico e no risco genômico. Por exemplo: se ela tem um risco clínico baixo e genômico baixo, com certeza não é preciso fazer quimioterapia, somente a terapia hormonal, que é muito menos tóxica e terá o mesmo efeito para essa paciente; se ela tem um risco clínico alto e genômico alto, no estudo, já foi direto para quimioterapia sem que se fizesse comparação para essas mulheres.

Também temos aquelas mulheres que chamamos de discordantes, com risco clínico alto e genômico baixo e vice-versa. Então, no congresso foram mostradas as pacientes que tinham risco clínico alto e genômico baixo e como elas se comportaram.

No grupo como um todo, o risco clínico alto e genômico baixo poderia ser poupado de quimioterapia. Dessas mulheres, 90% delas já tinham mais de cinco anos de seguimento e cerca de70% tinham mais de oito anos de seguimento. Para essas pacientes, a diferença não foi significativa.

No grupo com oito anos de acompanhamento, notou-se que, para mulheres maiores de 50 anos, a diferença entre fazer ou não a quimioterapia acaba sendo pequena. Mas, para aquelas pacientes pré-menopausadas, pode ter até 5% de diferença em oito anos.

Então, a mudança é que, para as mulheres pós-menopausadas, para um mammaprint de baixo ou alto risco, independentemente do risco clínico, pode-se deixar a paciente sem quimioterapia, sem prejuízo para ela. Já a paciente pré-menopausada que tem um risco clínico alto com um mammaprint de baixo risco, é preciso discutir a conduta, pois esta paciente pode ter uma diferença favoreça a quimioterapia.

Se a paciente é pre-menopausada, tem um risco clínico alto e um genômico baixo, a diferença é bem menor, em torno de 2,6%. Então, é preciso discutir com a paciente entre fazer a quimioterapia para um risco de 2,6% ou só intensificar a hormonioterapia.

Porém, o principal ponto para as pré-menopausadas é que, se apresentarem um risco clínico baixo e genômico alto, é preciso pensar em fazer a quimioterapia.

A assinatura genética mammaprint é mais um dos fatores que levamos em conta para decidir o tratamento, assim como o risco clínico e a idade, bastante importantes para essas mulheres.

Solange Moraes Sanches

Saiba mais:
- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A.C.Camargo recebe o Prêmio IBHE Hospitalidade Empresarial
Silvia Voullieme, gerente de experiência do paciente, também foi premiada na categoria Profissionais Mais Hospitaleiros de 2019 O A.C.Camargo Cancer Center recebeu o Prêmio IBHE Hospitalidade Empresarial, concedido pelo Instituto Brasileiro de Hospitalidade Empresarial (IBHE). Junto com a Instituição, outras...
Síndrome de Li-Fraumeni: estudo que envolveu o A.C.Camargo pode mudar o aconselhamento genético da doença de forma marcante
Pesquisa internacional analisou dois tipos de mutações que estão ligadas à predisposição ao câncer A Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) é uma doença hereditária de predisposição ao câncer, relacionada a mutações no gene TP53. Uma das mutações neste gene, denominada R337H...
Sinais e sintomas de câncer que merecem cuidado e investigação
Fique atento(a), pois o diagnóstico precoce de um tumor pode fazer dobrar a chance de sobrevida – conte com o Atendimento Oncológico Protegido do A.C.Camargo Cancer Center A Covid-19 nos obrigou a permanecer em casa. Quando uma vida está em...
Mulher branca deitada em uma cadeira doando sangue.
Dia Mundial do Doador de Sangue: faça sua parte e salve vidas!
Doação de sangue, uma atitude mais que essencial, que ajuda a salvar vidas. Saiba mais neste vídeo: Doação de sangue: agendamento online Com o objetivo de oferecer mais segurança e agilidade em nosso Banco de Sangue , é possível fazer...