Orientações sobre a gripe 2018

Publicado em: 29/05/2018 - 21:05:00
Notícias

A gripe

A influenza ou gripe é uma infecção respiratória aguda, causada pelo vírus influenza, com alto potencial de transmissão. Os primeiros sintomas geralmente são: febre, dor muscular e tosse seca. A evolução costuma ser branda e autolimitada, por período de quatro dias a sete dias, mas pode apresentar formas graves, levando o paciente à internação.

Existem três tipos de vírus influenza que circulam no Brasil: A, B e C. Os vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias.

Tipo A - Entre os subtipos de vírus influenza A, atualmente os subtipos A(H1N1) e A(H3N2) circulam com frequência  e infectam humanos. 

Não há circulação do vírus H2N3 no Brasil.

A vacina

 A vacina contra gripe é segura e é a intervenção mais importante para evitar casos graves e mortes pela doença.  

A vacina contra influenza é uma vacina de vírus inativado (incapaz de provocar doença).

Anualmente, são definidas as cepas que constituirão a vacina. Em 2018, a vacina trivalente será constituída de duas cepas similares ao vírus influenza A (H1N1 e H3N2) e uma cepa similar ao influenza B (disponível em todos os postos de saúde).

A vacina tetravalente inclui mais uma cepa similar ao influenza B (somente disponível em clínicas particulares).

Indicações para tomar a vacina

- Todo paciente em tratamento de câncer pode e deve tomar a vacina contra gripe.

- Pacientes com tumores sólidos ou hematológicos têm maior risco para infecção e complicações de influenza, tendo prioridade e recomendação formal para vacinação.

- Pacientes que recebem radioterapia, quimioterapia venosa ou oral, terapia-alvo (incluindo rituximabe) ou pacientes pós-transplante.

- Pacientes que utilizam imunoterapia (anticorpos anti-PD-L1 e anti-CTLA4) podem receber a vacina.

- Pacientes em estudo clínico devem ter a conduta individualizada, sempre após consulta à equipe médica responsável pelo estudo.

- Pessoas em contato com pacientes com câncer (principalmente crianças) e profissionais de saúde, que não apresentem contraindicação, devem receber também a vacina.

Demais grupos prioritários:

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos
  • Gestantes
  • Puérperas (até 45 dias após o parto)
  • Trabalhadores de saúde
  • Povos indígenas
  • Indivíduos com 60 anos de idade ou mais 
  • População privada de liberdade
  • Funcionários do sistema prisional
  • Professores da rede pública e privada
  • Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis
  • Pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais (doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias)

Não se pega a gripe tomando a vacina.

A reação com febre baixa e dor no corpo por um ou dois dias pode acontecer com qualquer vacina e não se trata de gripe.

Prevenção

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, como vírus influenza, orienta-se que sejam adotadas medidas gerais de prevenção, tais como:

  • Frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas
  • Manter os ambientes bem ventilados
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza
  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados)
  • Orientar o afastamento temporário (trabalho, escola etc.) até 24 horas após cessar a febre

Indivíduos que apresentem sintomas de gripe devem:

  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença (até 7 dias após o início dos sintomas)
  • Evitar visitar pacientes em hospitais
  • Restringir ambiente de trabalho para evitar disseminação
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados

Importante

O serviço de saúde deve ser procurado imediatamente caso a pessoa apresente algum destes sintomas: dificuldade para respirar, lábios com coloração azulada ou roxeada, dor ou pressão abdominal ou no peito, tontura ou vertigem, vômito persistente, convulsão.

Referências:

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Combinação de medicamentos desacelera evolução de câncer de próstata metastático
Resultados apresentados no ASCO mudam recomendação de tratamento para esses pacientes. Acrescentar abiraterona e prednisona à terapia hormonal administrada aos pacientes com câncer de próstata agressivo e metastático aumenta em duas vezes o período médio sem progressão da doença e reduz em 38% o risco...
Como o pioneirismo em cirurgia robótica acelera a recuperação de pacientes
Artigo científico descreve como foi a implementação dessa tecnologia aqui no A.C.Camargo e que temos, hoje, expertise similar aos melhores do mundo Somos pioneiros na América Latina em cirurgia robótica de cabeça e pescoço, com expertise similar aos centros de referência do mundo. A primeira...
Obesidade: os riscos para o câncer de endométrio
A obesidade está entre os fatores de risco para o desenvolvimento de diversos tipos de câncer, como intestino, próstata, entre outros. No caso das mulheres, o sobrepeso está estritamente ligado à incidência do câncer de endométrio, tecido que reveste a camada interna do corpo do...
Campanha de Prevenção do Câncer de Pele
O A.C.Camargo Cancer Center mais uma vez colabora com a Campanha de Prevenção do Câncer de Pele "Dia C", que é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia. O atendimento ao público será neste sábado, 26/11, das 9h às 15h, por ordem de chegada, com...
Cistos e alterações benignas na mama: acompanhamento pode ser suficiente
O diagnóstico de cistos na mama pode gerar preocupação em algumas mulheres. Mesmo nos casos benignos – que são mais frequentes –, há o medo de o tumor se desenvolver para um câncer. No entanto, segundo especialistas, essa probabilidade é bastante pequena e o protocolo...