Câncer infantil: A.C.Camargo avalia quem se tratou na infância Pular para o conteúdo principal

Câncer infantil: A.C.Camargo avalia efeitos tardios em quem tratou um tumor e se curou na infância e na adolescência

 
Publicado em:

Câncer infantil: A.C.Camargo avalia efeitos tardios em quem tratou um tumor e se curou na infância e na adolescência

O objetivo das consultas com o grupo de estudos GEPETTO é monitorar a pessoa como um todo e tentar identificar se o tratamento causou ou poderá causar algum transtorno para a vida dela – seja ele físico, emocional ou social

Publicado em:

Dra. Cecilia Maria Lima da Costa olha sorrindo para a garota na cama do hospital, ao lado da mãe dela, em pé

Dra. Cecilia Maria Lima da Costa olha sorrindo para a garota na cama do hospital, ao lado da mãe dela, em pé

O objetivo das consultas com o grupo de estudos GEPETTO é monitorar a pessoa como um todo e tentar identificar se o tratamento causou ou poderá causar algum transtorno para a vida dela – seja ele físico, emocional ou social

A cura de um câncer infantil, além de clínica, tem de ser psicológica e social.

Com o objetivo de avaliar eventuais consequências tardias do câncer em indivíduos que se trataram e se curaram na infância e na adolescência, o A.C.Camargo conta com o Grupo de Estudos Pediátricos dos Efeitos Tardios do Tratamento Oncológico, o GEPETTO.

Criado em 1999, mais uma iniciativa pioneira do A.C.Camargo no Brasil, o GEPETTO, que detém cerca de 1.300 pacientes registrados, faz uma abordagem multidisciplinar desses possíveis efeitos tardios, algo já praticado à época na Europa e nos EUA.  

“Eles já se preocupavam em saber o que a quimioterapia, a cirurgia e o próprio tumor poderiam acarretar para as crianças, mesmo após um longo tempo de ter realizado o tratamento, visto que a criança é um ser ainda em formação. Assim, ela tem um organismo mais suscetível aos efeitos tóxicos da quimioterapia e da radioterapia, mesmo a longo prazo”, explica a Dra. Cecilia Maria Lima da Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos.


Antever diagnósticos

O GEPETTO gera conhecimento ano após ano. Pois, a partir do momento em que se conhece esses efeitos tardios num determinado paciente, é possível rediscutir estratégias de tratamento para minimizar consequências futuras.
Exemplo: alguns quimioterápicos têm toxicidade para o coração, alteram a função cardíaca, mesmo anos após serem sido utilizados. 

“Então, precisamos monitorar os pacientes que usaram esse medicamento e ir acompanhando se não surge um problema cardíaco ao longo dos anos. Na consulta com o grupo de oncologia pediátrica, além do exame físico, é feito o monitoramento da função cardíaca por meio de exames complementares. Ao detectar alguma alteração, encaminhamos ao cardiologista para que haja o acompanhamento precoce”, diz a médica. 

Dependendo do tratamento realizado e da idade que a criança tinha, vários outros problemas de saúde podem ocorrer após anos do término do tratamento. Entre eles: distúrbios endocrinológicos, neurológicos, disfunção renal, auditiva e visual, aparecimento de um segundo câncer, déficit de atenção e dificuldade de aprendizagem, além de problemas psicoemocionais e sociais.

“Durante a consulta no GEPETTO, procuramos conhecer todas as queixas dos pacientes, assim poderemos identificar a necessidade de acompanhamento com a psicologia, a psiquiatria e a assistente social.”, conta a Dra. Cecilia.

“A gente quer que o paciente seja um indivíduo totalmente integrado à sociedade”, encerra.

Dra. Cecilia Maria Lima da Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos
"
O principal objetivo do GEPETTO é analisar os efeitos tardios e tentar reconhecê-los precocemente para evitar que eles progridam, e não prejudiquem a qualidade de vida de um paciente curado de um câncer
Dra. Cecilia Maria Lima da Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Leucemia mieloide aguda: novo método calcula com precisão a sobrevida do paciente
Pioneiro no campo da onco-hematologia, ele foi desenvolvido em estudo multicêntrico internacional, que teve a liderança de médico do A.C.Camargo Cancer Center Quando um paciente é diagnosticado com leucemia mieloide aguda, os médicos usam uma variedade de métricas para determinar...
Câncer de pulmão: participe de nossos estudos clínicos
Câncer de pulmão, um problema que acometerá cerca de 30 mil brasileiros em 2020, segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca). O paciente do A.C.Camargo, além de contar com os melhores tratamentos disponíveis e com o Fluxo Oncológico Protegido...
Ilustração de um computador e um smartphone
Telemedicina: mais segurança e conforto para os pacientes oncológicos seguirem seus tratamentos e diagnósticos em tempos de Covid-19
Pensando na segurança e no conforto dos nossos pacientes em tempos de Covid-19, lançamos a plataforma de Telemedicina do A.C.Camargo Cancer Center, que oferece um atendimento inovador para que o paciente não interrompa o seu tratamento, proporcionando mais comodidade e...
A.C.Camargo Cancer Center oferece triagem virtual para pacientes oncológicos com sintomas de Covid-19
A plataforma de P.A. Digital indica se há necessidade do paciente se deslocar até a Unidade e ajuda a Instituição a entender a previsão de demanda de atendimento de pacientes com suspeita de infecção pelo novo Coronavírus Com o objetivo...
Covid-19: para mais comodidade e segurança, disponibilizamos o Pronto-Atendimento Digital
Covid-19: o A.C.Camargo Cancer Center, em parceria com a plataforma P.A. Digital, iniciou um projeto experimental para ajudar no combate ao novo Coronavírus, que pode ser realizado pelo tablet ou celular. O que é? É uma plataforma de triagem online...