Ilustração com células verdes e roxas arredondadas

Pesquisa no câncer: conheça três das mais revolucionárias

Publicado em: 14/01/2022 - 13:01:20
Pesquisa
Diagnóstico
Imunoterapia
Tumores de Mama
Pulmão e Tórax
Boca
Faringe
Genética
Pâncreas
Linha Fina

São estudos que revelaram fatores de risco importantes para desenvolver tumores na mama e em outros órgãos nos últimos 50 anos

A pesquisa no câncer é um dos pilares do A.C.Camargo Cancer Center. Em nosso CIPE (Centro Internacional de Pesquisa), o estudo de hoje se torna o tratamento de amanhã, que cura e/ou melhora a qualidade de vida dos nossos pacientes. E é assim nos centros de excelência mundo afora. 

Para comemorar o 50º aniversário da Lei Nacional do Câncer no Estados Unidos, a revista científica Cancer Research, da AACR (Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, em tradução livre), compilou algumas das descobertas mais marcantes em uma lista intitulada Cancer Research Landmarks.

Nela, foram destacados 23 estudos marcantes publicados no periódico durante esse período.


Pesquisa no câncer: imunoterapia e outros marcos

Esses artigos abrangem toda a gama da pesquisa do câncer – desde a identificação dos fatores de risco e alterações celulares associadas ao aparecimento e à progressão do câncer até o desenvolvimento de terapias revolucionárias contra os tumores. 

Conheça abaixo um resumo de três deles – para ter acesso aos estudos da lista toda (em inglês), clique aqui.


1988 - Identificação do ato de fumar e beber como fatores de risco para câncer de boca e faringe

O Dr. Joseph Fraumeni, Jr. e seus colegas compararam o uso de tabaco e álcool entre 1.114 pacientes com câncer de orofaringe e 1.268 indivíduos pareados sem a doença, representando quatro áreas distintas dos Estados Unidos.

Os pesquisadores concluíram que os fumantes tinham um risco mais de 200% maior de câncer de orofaringe do que os indivíduos que nunca fumaram. Da mesma forma, o consumo pesado de álcool foi associado a um aumento de quase 800% no risco de câncer de orofaringe. 

Fraumeni e colegas também observaram que a cessação do tabagismo reduziu significativamente esse risco.

Como se sabe, essas descobertas tiveram implicações além do câncer de orofaringe – hoje, o tabaco é um fator de risco bem estabelecido para vários tipos de câncer, incluindo formas agressivas como câncer de pulmão e pâncreas.


1990 - Células relacionadas ao câncer de mama

O Dr. Samuel Brooks Jr. comandou um estudo que permitiu várias descobertas importantes sobre a biologia das células mamárias normais, bem como as alterações genéticas e celulares básicas que levam ao desenvolvimento do câncer de mama.

Entre essas descobertas fundamentais está o melhor entendimento de como as alterações dos principais oncogenes (HER2, PTEN, TP53 e BRCA1) contribuem para o desenvolvimento do câncer de mama.


2004 - Abrindo o caminho para a imunoterapia

Hoje, a imunoterapia – estratégia que estimula o organismo a identificar as células cancerosas e atacá-las com medicamentos que modificam a resposta imunológica – é uma modalidade de tratamento muito bem estabelecida. 

Mas isso não ocorria até a publicação dessa pesquisa pela equipe do Dr. Augusto Ochoa, que demonstrou a existência de células mieloides imunossupressoras no estroma tumoral.

Ao classificar as populações de células de tumores de camundongos, eles descobriram, entre outras coisas, que a inibição da enzima arginase aumentou a atividade antitumoral em modelos de camundongos, destacando a possibilidade de regular terapeuticamente a imunidade antitumoral no microambiente tumoral.

Desta forma, esse estudo lançou as bases para pesquisas subsequentes sobre o aprimoramento da imunoterapia, compreendendo as diferenças entre as células mieloides no tecido tumoral e as dos órgãos linfoides, além de explorar os inibidores da arginase como terapia contra o câncer.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Muitos pacientes que deixam a UTI com cuidados paliativos sobrevivem e retomam o tratamento do câncer
Estudo revela que aproximadamente 20% dos pacientes receberam alta para casa e até voltaram às terapias contra o câncer Alguns pacientes internados em UTI e que não apresentam melhora no quadro deixam esse serviço em cuidados paliativos. Há, no entanto, pouca amostragem sobre o que...
Pesquisa avalia quais pacientes de câncer de colo do útero podem se beneficiar de cirurgia menos radical
Estudo liderado pelo nosso Diretor do Departamento de Ginecologia, Dr. Glauco Baiocchi Neto, foi escolhido como editorial principal da edição da Gynecologic Oncology, o primeiro do gênero realizado em país em desenvolvimento. O objetivo era identificar quais pacientes com câncer de colo de útero poderiam...
Genômica, a ciência que faz diferença
Assista ao vídeo e entenda melhor como ela contribui para o combate ao câncer A Genômica é uma prova que, ao longo dos anos, os avanços científicos não apenas proporcionaram um maior número de tratamentos contra o câncer, mas também uma maior personalização, que considera...
ASCO Annual Meeting 2020: acompanhe a cobertura do evento com o olhar do nosso corpo clínico
Entre os dias 29 e 31 de maio aconteceu mais uma edição do maior evento de oncologia clínica do mundo: o Annual Meeting da ASCO, a American Society of Clinical Oncology (Sociedade Americana de Oncologia Clínica). Tradicionalmente, o corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center marca...
Prevenção primária x prevenção secundária
O tema prevenção contra o câncer aborda desde adotar hábitos saudáveis a fazer os exames de rastreamento recomendados para cada faixa etária. Ou seja, a prevenção pode ser feita de forma primária e secundária. Por isso, é importante conhecê-las para, junto com seu médico, cuidar...