Tipos de Câncer

Rim
Rim

Os rins são os principais órgãos excretores do corpo, filtrando 170 litros de sangue por dia e produzindo até 2 litros de urina diariamente. De lá, a urina segue pelos ureteres até a bexiga, onde é armazenada.  Os rins regulam o equilíbrio ácido-base do organismo, a produção de glóbulos vermelhos (através de um hormônio chamado eritropoietina), o volume de sangue e a pressão arterial.
O carcinoma, isto é, o câncer que tem origem no tecido que reveste várias partes dos rins, é o mais comum nesses órgãos e costuma ser detectado precocemente. Nesse caso tem grandes chances de cura, porque alterações na função renal podem ser detectadas a partir de exames de sangue e de urina de rotina.

Vale lembrar que fatores de risco aumentam o risco de desenvolver câncer, mas não querem dizer que a pessoa vai obrigatoriamente ter câncer de rim.

FUMO: é o principal fator de risco.

IDADE: a maioria dos casos acontece depois dos 50 anos.

SEXO: homens têm duas vezes mais chance de ter câncer de rim do que mulheres.

OBESIDADE

PRESSÃO ALTA

INSUFICIÊNCIA RENAL e uso prolongado de diálise.

HISTÓRICO FAMILIAR de doenças renais.

GENÉTICA: portadores da Síndrome de Von Hippel-Lindau e de carcinoma renal papilífero hereditário, que precisam de avaliação de equipe de Oncogenética e acompanhamento especializado.

O sintoma mais comum de câncer de rim é a presença de sangue na urina, que os médicos chamam de hematúria. No entanto, ela pode ser causada por uma série de outros problemas de saúde.

Os sintomas podem incluir:

  • Dor lombar, no abdômen ou dos lados do corpo
  • Febre inexplicável por algumas semanas
  • Perda de peso rápida e sem explicação
  • Cansaço
  • Inchaço dos pés e pernas
  • Massa palpável dos lados do corpo ou na região lombar
  • Hipertensão arterial de difícil controle

Os sinais de câncer renal podem ser detectados por exames de sangue e de urina, mas o médico pode pedir também exames por imagem, para verificar suas dimensões, localização exata e se ele se espalhou ou não. Nessa lista, estão ultrassom , raios-X de tórax, cintilografia óssea, tomografia e ressonância magnética. A confirmação ou não do diagnóstico é feita por biópsia por aspiração por agulha fina (BAAF).

A cirurgia é o tratamento-padrão para este tipo de câncer e pode envolver a remoção parcial do órgão, a chamada nefrectomia parcial, ou total, que os médicos chamam de nefrectomia radical, dependendo do tamanho e da localização do tumor. Aqui no A.C.Camargo Cancer Center, as nefrectomias parciais podem ser feitas por cirurgia robótica. O procedimento pode ser ainda convencional (ou seja, cirurgia aberta) ou realizado com outras técnicas minimamente invasivas como ablação por radiofrequência (em que as células cancerosas são mortas por uma fonte de calor), crioablação (em que são mortas por congelamento) ou ainda através de videolaparoscopia. A vantagem das técnicas minimamente invasivas é que aceleram a recuperação do paciente.

A quimioterapia não é utilizada no tratamento do câncer renal e a radioterapia costuma ser usada no alívio de dores e outros sintomas na forma metastática desse câncer. Nesses casos, existe a possibilidade de uso das chamadas terapias-alvo, que agem contra moléculas específicas.
No câncer renal, que cria muitos vasos sanguíneos para se alimentar, as chamadas drogas antiangiogênicas, que atuam sobre esses novos vasos criados pelo câncer e impedem o crescimento do tumor, estão entre as opções. Outra opção são os inibidores de uma proteína chamada mTOR, que está desregulada no tumor e permite a proliferação descontrolada das células tumorais. Existem ainda medicamentos específicos para outras alterações encontradas nas células cancerosas.

O estadiamento é uma forma de classificar a extensão do tumor e se ou quanto ele afetou os gânglios linfáticos ou outros órgãos. Para isso é usada uma combinação de letras e números: T de tumor, N, de nódulos (ou gânglios linfáticos) e M de metástase e números que vão de 0 (sem tumor, ou sem gânglios afetados ou sem metástase) a 4, este último indicando maior acometimento.