Notícias

O exame de sangue oculto nas fezes é o método ideal para rastreamento do câncer colorretal em grandes populações
O exame de sangue oculto nas fezes é o método ideal para rastreamento do câncer colorretal em grandes populações


CLOSE

O exame de sangue oculto nas fezes é o método ideal para rastreamento do câncer colorretal em grandes populações

Pouca gente se lembra de fazer - e às vezes até mesmo os médicos se esquecem de pedir - o exame de sangue oculto nas fezes. Mas ele é muito eficiente para ajudar no diagnóstico do câncer de intestino, e tem a vantagem de ser simples, não invasivo ou caro como a colonoscopia.

Na verdade, o exame de sangue oculto funciona como uma espécie de triagem: ele indica quem realmente precisa fazer colonoscopia. E, com isso, facilita a vida dos pacientes que acabam adiando a colonoscopia (que muita gente prefere evitar por ser um exame que exige tempo, preparo, sedação) e ajuda a reduzir custos. É o método ideal para rastreamento em grandes populações.

"É importante enfatizar que o exame de sangue oculto não substitui a colonoscopia, que ainda é essencial para um diagnóstico preciso", diz Dr. Samuel Aguiar Jr., Diretor do Departamento de Tumores Colorretais.

Como funciona?

O exame de sangue oculto avalia a presença de pequenas quantidades de sangue nas fezes, que podem não ser visíveis a olho nu. Ajuda a detectar a presença de sangramentos no intestino grosso, que podem ser sinais de úlceras, colite ou até câncer. De todos os pacientes que realizaram o exame de sangue oculto aqui, em torno de 10% apresentaram resultados positivos e precisaram fazer exames complementares.

Nosso estudo

Em entrevista ao site da Revista Saúde, Dr. Samuel Aguiar conta sobre nosso estudo: de 1.200 pacientes que tinham indicação de realizar o exame de sangue oculto, 540 participantes (45% do total) simplesmente não retornaram sequer para entregar a coleta da amostra de fezes que seria analisada no laboratório. E a desistência foi maior entre os adultos de 50-60 anos, com um trabalho formal. Ou seja, percebemos que a falta de tempo para voltar ao médico é um dos fatores que mais contribuem para a baixa adesão.

Câncer colorretal

No Brasil, o tumor maligno no cólon e no reto é o  tipo mais comum em homens e o  em mulheres. Diagnosticado no início, o câncer colorretal pode apresentar cerca de 90% de chances de sucesso no tratamento.

Dr. Samuel Aguiar Jr. - CRM 84495
Diretor do Departamento de Tumores Colorretais
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 4342