Notícias

Grande estudo publicado na revista Applied mostra o que devemos aprofundar no conhecimento dos tumores gástricos
Grande estudo publicado na revista Applied mostra o que devemos aprofundar no conhecimento dos tumores gástricos


CLOSE

Grande estudo publicado na revista Applied mostra o que devemos aprofundar no conhecimento dos tumores gástricos

Vamos começar pela boa notícia: a taxa de prevalência do câncer gástrico tem diminuído bastante nos últimos 70 anos. A não tão boa é que o índice de mortalidade é pior do que o de outros tipos de câncer.

No Brasil, o câncer gástrico é o 2º tipo de câncer mais frequente entre os homens, especialmente nas regiões Norte e Nordeste. É uma doença que costuma ser diagnosticada entre a 6ª e a 7ª década de vida, e muitas vezes já em estágio avançado.

Um grande grupo de especialistas - a rede GE4GAC (do Inglês: Genomics and Epidemiology for Gastric Adenocarcinomas) - coordenado em nossa Instituição (envolvendo áreas como Patologia, Genômica, Oncologia Clínica, Bioinformática, Endoscopia, Epidemiologia) e que tem a colaboração de outras instituições do Brasil e do mundo, como Princess Margaret Cancer Centre, University of Toronto, USP, UFMG, Universidade de Fortaleza, Hospital Ophir Loyola de Belém, debruçou-se sobre os muitos estudos a respeito de câncer gástrico e fez uma profunda revisão dos aspectos relacionados à doença. O estudo, Genomics and epidemiology for gastric adenocarcinomas, foi publicado na nossa revista Applied Cancer Research.

"Dados sugerem que a epidemiologia destes tumores está se modificando, com flutuações importantes nos dois principais subtipos de tumores gástricos (intestinal e difuso) ao longo dos últimos anos. Os tumores difusos, que são mais agressivos e acometem os mais jovens, vêm ganhando enorme importância recentemente", explica o coordenador do estudo, Dr. Emmanuel Dias-Neto, do nosso Centro Internacional de Pesquisa (CIPE).

Esse será um dos pontos estudados no projeto, assim como vários outros, incluindo entender por que a resposta dos pacientes à quimioterapia neo-adjuvante é tão distinta. O estudo inclui ainda a determinação, por ferramentas de metagenômica (genoma coletivo da microbiota), de todo o conjunto de bactérias presentes no tumor.

"Temos ainda avaliado o perfil de mutações que ocorrem nos nossos pacientes, e dados preliminares sugerem que alguns genes que são importantes nos Estados Unidos, Europa e Ásia não têm a mesma importância no Brasil. O fato da nossa população ser miscigenada impacta a nossa dieta, nossa microbiota e nossas alterações moleculares", explica o Dr. Emmanuel.

Atualmente, o sucesso no tratamento do câncer gástrico deriva mais do diagnóstico precoce do que do desenvolvimento de novas possibilidades terapêuticas, daí ser tão importante aprofundar o conhecimento das bases moleculares da doença.