Cientistas e Pesquisadores

Testes Clínicos
Testes Clínicos

O que são testes clínicos?

Você já deve ter ouvido falar de pacientes que participam de testes clínicos (em inglês, clinical trials) de novos medicamentos ou tipos de tratamento. São testes para avaliar a resposta do tratamento em determinados perfis de pacientes.


Como funciona?

Até um novo medicamento ou tipo de tratamento ser lançado, passa-se por um longo processo, que demora muitos anos. Primeiro, o medicamento é exaustivamente testado em laboratório. Depois, em animais. E, mais tarde, em pessoas. Ainda leva mais um tempo até o medicamento chegar ao mercado; os testes com pacientes são feitos em três ou quatro fases. Há casos em que um medicamento já consagrado no tratamento de um tipo de câncer é testado para outro tipo, por exemplo. 

Os médicos estabelecem os critérios de elegibilidade, ou seja, o perfil de pacientes para o teste. Por exemplo: média de idade, sexo, tipo de câncer, estágio da doença, se já está em algum tratamento ou não, e seu estado de saúde em geral. 


Como participar?

Seu médico pode convidá-lo se observar que você tem o perfil para determinado teste, que você está dentro dos critérios de elegibilidade. Você decide se quer ou não aceitar e assina um termo de autorização. O médico vai lhe explicar em detalhes um plano de como o teste será feito – o protocolo – e você tem o direito de desistir quando quiser. Converse com seu médico e pergunte a respeito.


Quais os riscos?

Sua segurança é nossa prioridade. Testes clínicos são extremamente seguros. Os pacientes são examinados e monitorados o tempo todo. O grande benefício é que o paciente que participa de um protocolo tem acesso a um tratamento de ponta muito antes de ser lançado. Há casos em que o paciente não teve boa resposta com outros tratamentos já existentes e tem ótima resposta no teste clínico. Também é importante esclarecer alguns mitos:

  1. Que os pacientes são cobaias de algo desconhecido: não é verdade. Como já dissemos, os testes são desenhados por especialistas e os medicamentos são previamente avaliados em diversos estágios. 

  2. Que metade dos pacientes em testes clínicos recebe placebos: também não é verdade na grande maioria dos casos. Os pacientes que não recebem o medicamento do teste normalmente estão recebendo o tratamento de ponta que já existe. A comparação é entre o que existe de mais avançado e o que ainda vai ser lançado. Se você participar de um teste em que será usado placebo, será informado a respeito antes de começar.

  3. Que os pacientes não podem tentar outros tratamentos: não é verdade. Se você não está se beneficiando durante o teste, o médico pode parar e lhe indicar outro tratamento. Ou até mesmo colocar você em outro teste. 

Por que participar de um teste clínico?

Além de você se beneficiar de um tratamento inovador, pode colaborar para salvar outras vidas. Você vai nos ajudar a desenvolver novos tratamentos e levar esperança para muita gente. Pense que os tratamentos que existem hoje e curam tantas pessoas também foram aprovados em testes clínicos. 

Veja quais os testes clínicos hoje conduzidos aqui no A.C.Camargo Cancer Center:
 

Estudo
Um estudo clínico fase II para estudar a eficácia e a segurança de Pembrolizumabe em participantes com câncer de bexiga não músculo-invasivo de alto risco não responsivo à terapia com Bacillus Calmette-guerin.

Status
Recrutando

Responsável
Dr. Aldo Dettino

Estudo
Estudo clínico fase III de Pembrolizumabe na primeira linha de tratamento de carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço recorrente/metastático.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Ulisses Nicolau

Estudo
Estudo de fase 3, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, multicêntrico, de eficácia analgésica e segurança da administração subcutânea de tanezumabe em participantes com dor oncológica predominantemente devido à metástase óssea e recebendo terapia de fundo com opioides.

Status
Para iniciar

Responsável
Dra. Sandra Serrano

Estudo 1
Um estudo clínico de fase III, randomizado, controlado com ativo, parcialmente cego, biomarcador seletivo de Pembrolizumabe como monoterapia e em combinação com cisplatina + 5-fluorouracil versus placebo + cisplatina + 5-fluorouracil como tratamento de primeira linha em indivíduos com adenocarcinoma gástrico avançado ou adenocarcinoma da junção gastroesofágica.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Helano Freitas


Estudo 2
Estudo de fase III duplo-cego, controlado por placebo, randomizado, multicêntrico avaliando a eficácia e segurança de pertuzumabe em combinação com trastuzumabe e quimioterapia em pacientes com câncer gástrico e junção gastroesofágica metastático HER2-positivo.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Celso Mello

Estudo
Estudo de fase III do ADXS11-001 administrado após a quimiorradiação como tratamento adjuvante para câncer cervical localmente avançado de alto risco (Imunoterapia 2 com Advaxis para prevenir recidiva de câncer cervical).

Status
Para iniciar

Responsável
Dr. Alexandre da Costa

Estudo 1
Estudo de fase 3, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e multicêntrico da bendamustina e rituximabe em monoterapia e versus em associação com acalabrutinibe em pacientes com linfoma de células do manto não tratado previamente.

Status
Para iniciar

Responsável
Dr. Garles Vieira


Estudo 2
Estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo e de fase 3 do inibidor da tirosina quinase de Bruton, Ibrutinib, em combinação com rituximab, ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e prednisona em sujeitos de pesquisa que apresentam linfoma difuso de células B grandes de subtipo de células B de centro não germinativo recém-diagnosticado.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Vladmir Lima


Estudo 3
Estudo de fase 3, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, do inibidor da tirosina quinase de Bruton, Ibrutinibe, em associação com bendamustina e rituximabe ou rituximabe, ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina e prednisona em participantes de pesquisa com linfoma não Hodgkin indolente previamente tratado.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Vladmir Lima


Estudo 4
Uso compassivo de vorinostate para o tratamento de pacientes com linfoma cutâneo de células T em estágio avançado.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Celso Mello

Estudo 1
Estudo randomizado, aberto, fase III de pembrolizumabe como agente único versus quimioterapia com agente único de acordo com a escolha do médico para câncer de mama triplo-negativo metastático (mTNBC).

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Vladmir Lima


Estudo 2
Um estudo de neratinibe combinado com capecitabina versus lapatinibe combinado com capecitabina em pacientes com câncer de mama metastático HER2+ que receberam dois ou mais regimes anteriores direcionados ao HER2+ no contexto metastático.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Julio Prestes


Estudo 3
Avaliação prospectiva da casuística de câncer de mama em instituições de saúde brasileiras.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Vladmir Lima

Estudos
Programa de acesso expandido com nivolumabe para pacientes com melanoma em estágio III ou estágio IV confirmado histologicamente com progressão após tratamento sistêmico prévio contendo um anticorpo monoclonal anti-ctla-4.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Milton Barros

Estudo 1
Um estudo de fase 3, randomizado, controlado por placebo, duplo-cego, da terapia de manutenção com ixazomibe oral em pacientes recentemente diagnosticados com mieloma múltiplo, após terapia inicial, não tratados com transplante de células-tronco.

Status
Recrutando

Responsável
Dr. Garles Vieira


Estudo 2
Estudo de fase 3 comparando Daratumumabe, Bortezomibe e Dexametasona (DVd) versus Bortezomibe e Dexametasona (Vd) em participantes da pesquisa com mieloma múltiplo em recidiva ou refratário.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Vladmir Lima

Estudo 1
Estudo de fase III, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, de jnj-56021927 em participantes da pesquisa com câncer de próstata localizado ou localmente avançado de alto risco recebendo tratamento com radioterapia primária.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Aldo Dettino


Estudo 2
Estudo de fase III, randomizado, controlado por placebo, duplo-cego, de apalutamida mais terapia de privação androgênica versus adt em participantes da pesquisa com câncer de próstata metastático sensível a hormônio.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Aldo Dettino


Estudo 3
Acetato de Abiraterona em participantes de pesquisa com câncer metastático de próstata resistentes à castração, sem quimioterapia prévia, que receberam terapia anterior com Dietilestilbestrol.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. José Augusto Rinck Jr.

Estudo 1
Estudo de fase III, aberto, randomizado de atezolizumabe em combinação com carboplatina + paclitaxel com ou sem bevacizumabe em comparação com carboplatina + paclitaxel + bevacizumabe em pacientes virgens de tratamento com quimioterapia com câncer pulmonar de não pequenas células não escamosas em estágio IV.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Aldo Dettino


Estudo 2
Estudo de fase III, aberto, multicêntrico, randomizado de avaliação da eficácia e segurança do atezolizumabe em combinação com carboplatina + paclitaxel ou atezolizumabe em combinação com carboplatina + nab-paclitaxel versus carboplatina + nab-paclitaxel em pacientes com câncer pulmonar de não pequenas células escamosas em estágio IV virgens de tratamento com quimioterapia.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Aldo Dettino


Estudo 3
Estudo randomizado, aberto de fase III de sobrevida global em participantes virgens de tratamento com câncer de pulmão de não pequenas células avançado ou metastático e pd-l1 positivo comparando pembrolizumabe à quimioterapia baseada em platina.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Helano Freitas


Estudo 4
Um estudo clínico fase II/III, randomizado de duas doses de MK-3475 versus Docetaxel em participantes com câncer de pulmão em células não pequenas previamente tratados.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Helano Freitas


Estudo 5
Estudo multicêntrico não intervencionista para a validação de tecnologias de diagnóstico molecular em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Helano Freitas


Estudo 6
Estudo randomizado, duplo-cego, multicêntrico e de fase 3 comparando veliparibe e carboplatina e paclitaxel versus placebo com carboplatina e paclitaxel no câncer pulmonar de células não pequenas escamosas avançado ou metastático não tratado anteriormente.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Alexandre da Costa


Estudo 7
Um estudo aberto, randomizado, fase 3, de nivolumabe, ou nivolumabe mais ipilimumabe, ou nivolumabe mais quimioterapia dupla à base de platina versus quimioterapia dupla à base de platina em pacientes com câncer pulmonar de não pequenas células em estádio iv ou recidivante, que nunca receberam quimioterapia.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Thiago Oliveira


Estudo 8
Programa de acesso expandido com Nivolumabe em monoterapia para pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas escamoso metastático ou avançado que receberam pelo menos um regime anterior para o tratamento de SqNSCLC Estágio IIIb/IV.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Helano Freitas


Estudo 9
Perfil molecular do adenocarcinoma de pulmão no Brasil.

Status
Recrutando

Responsável
Dr. Vladmir Lima


Estudo 10
Heterogeneidade tumoral relacionada ao tratamento em câncer de pulmão de não pequenas células

Status
Para iniciar

Responsável
Dr. Vladmir Lima

Estudo
Um estudo aberto, randomizado, fase 3 de Nivolumabe combinado com ipilimumabe versus monoterapia com sunitinibe em indivíduos com carcinoma de célula renal avançado ou metastático, previamente não tratados.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. José Augusto Rinck Jr.

Estudo
Estudo de fase III, randomizado, aberto, controlado, multicêntrico, global de monoterapia de primeira linha com MEDI4736 e MEDI4736 em combinação com tremelimumabe versus quimioterapia com padrão de tratamento em participantes da pesquisa com câncer urotelial irressecável estágio IV.

Status
Em acompanhamento

Responsável
Dr. Aldo Dettino